Guarani e Santo André empatam por 1 a 1

Deu empate no duelo caipira pela Copa do Brasil. Guarani e Santo André empataram, por 1 a 1, nesta quarta-feira à noite, no Estádio Brinco de Ouro, em Campinas, na abertura da terceira fase. Os times voltam a se enfrentar em 5 de maio, no ABC, onde o empate sem gols garantirá a vaga inédita ao Santo André. Os times entraram em campo com disposições diferentes, um para defender e outro para atacar, mas o resultado foi justo. O time de Campinas iniciou o jogo de maneira errada. O técnico Joel Santana optou por escalar três zagueiros, mesmo sabendo que o adversário atuaria apenas para se defender. Enquanto o Guarani usava o esquema 3-5-2, o Santo André, desfalcado de oito titulares, apostava no 4-5-1. Com muitos defensores, o Guarani não teve poder de penetração, que seria fundamental para superar o forte bloqueio defensivo do time visitante. O pior aconteceu aos 23 minutos, quando o volante Dedimar, livre de marcação, arriscou o chute de longa distância. A bola quicou no gramado molhado, ganhou velocidade e surpreendeu o goleiro Jean, que falhou no lance. A grande chance do empate saiu aos 33 minutos, quando Patrick fez boa jogada na grande área e foi travado pelo zagueiro Alex: pênalti. Na cobrança, porém, Viola cantou o canto e o goleiro Junior espalmou para escanteio. No intervalo, curiosamente, o técnico Luiz Carlos Ferreira manteve seus jogadores em campo, passando as instruções no banco de reservas. "Assim o time não perde o clima do jogo." Só que o Guarani voltou para o segundo tempo diferente. O zagueiro Carlinhos ficou no vestiário para a entrada do atacante Evandro Roncatto. O time de Campinas também voltou mais disposto, com Ricardo Lobo mandando uma bola na trave aos quatro minutos. Dois minutos depois outra bola na trave, quando Paulo André desviou de cabeça. O empate desenhado foi consolidado aos 17 minutos, de novo, com o artilheiro Viola que tocou de cabeça após o cruzamento de Marlon. Oito minutos depois, Viola sentiu uma contratura muscular e deixou o campo aplaudido. Ele marcou seu quarto gol seguido, provando estar em forma. Nesta quinta-feira vai sentar com a diretoria para tentar renovar seu contrato. O Guarani, porém, perdeu força ofensiva. Sem opções, Joel Santana se viu obrigado a colocar o lateral-esquerdo Adílio permitindo o avanço de Patrick, em noite inspirada, para o meio-de-campo. A partir dos 36 minutos, o zagueiro Paulo André sentiu cãibras e apenas figurou em campo, uma vez que já tinha sido feitas as três substituições. Com menos força ofensiva, o Guarani não conseguiu superar a marcação do Santo André, que continuou na defesa, abriu mão do contra-ataque para garantir o importante empate bastante comemorado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.