Guarani está ?fechado para balanço?

Amargando o primeiro rebaixamento da sua história, o Guarani está fechado para balanço. Quem foi até o estádio Brinco de Ouro, nos últimos dias, deu literalmente com a cara no portão. O estádio está fechado desde o último domingo, um dia depois do empate contra a Portuguesa Santista, que sacramentou a ida do time para a Série A-2. Nesta quarta-feira duas reuniões podem decidir o futuro do clube.Na sede administrativa, a atual diretoria se reúne para traçar os planos para o futuro. Promete reformular o elenco e montar um grande time. A oposição, que não está nada satisfeita com o trabalho do presidente José Luiz Lourencetti, também vai se reunir. O encontro da oposição acontece em local ignorado. O objetivo é elaborar um documento de desagravo ao trabalho da atual diretoria. Desta reunião, devem fazer parte ex-dirigentes do clube, que já atuaram em diversas gestões. A princípio, a idéia não é pedir a renúncia do presidente , que tem mandato até o final de 2002. O técnico Carlos Alberto Silva não deve permanecer o clube. O treinador que ganha R$ 80 mil mensais, tem contrato até o fim do ano e uma multa rescisória de R$ 1 milhão. Carlos Alberto Silva cobra até hoje salários e a multa de quebra de contrato do Santos, seu antigo clube. Ele reivindica perto de R$ 1,5 milhão. Na época da sua contratação pelo Santos, no início de 2000, o treinador havia declarado que nunca mais retornaria ao Guarani. Mas sete meses depois estava se apresentando no estádio Brinco de Ouro.O elenco deve sofrer uma grande reformulação. O atacante Marcinho e o meia Renato devem ser os primeiros a deixar o clube. Marcinho deve se transferir para o América, de São José do Rio Preto, de onde saiu. O Guarani deve a maior parte dos R$ 1,4 milhão que pagou por seu passe. Renato não deve ficar, porque a diretoria ainda não pagou os R$ 300 mil para o procurador do atleta, Fernando César. A Ponte Preta estaria interessada na contratação do jogador.O volante André Gomes, o lateral-esquerdo Jorge Luís e o meia Lindomar também podem trocar de ares no segundo semestre. Todos são donos dos passes. Em contrapartida, o zagueiro Marcelo Souza, que foi afastado do elenco no meio do Paulistão, quer retornar ao Guarani. "Todos sabem que o meu problema foi com Carlos Alberto Silva. Se ele sair, quero voltar para ajudar o clube", disse zagueiro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.