Guarani fragilizado contra Coritiba

Com um time fragilizado e bem distante do sonhado por sua torcida, o Guarani estréia no Campeonato Brasileiro contra o Coritiba, nesta quinta-feira, às 20h30, no Estádio Couto Pereira, na capital paranaense. O técnico Joel Santana não tem vergonha ou constrangimento para explicar os motivos que o levaram a armar um esquema defensivo, numa variação do 3-5-2 e que mais parece um esquisito 3-6-1. "Tivemos problemas com os reforços, com contusões e estamos colocando em campo o que temos de melhor. Vamos dar moral para a garotada", diz o técnico, que tenta encarar com naturalidade a série de dificuldades enfrentadas neste início de campeonato. Dos nove reforços contratados, nenhum tem condição legal de jogo. O lateral-esquerdo Patrick está machucado e o centroavante Viola, sem contrato, não viajou com a delegação. Talvez nem fique no clube depois de marcar cinco gols em três meses, quando entrou em forma física e técnica. O técnico confirmou o time após o coletivo de terça-feira à tarde no gramado do Brinco de Ouro. A defesa terá três zagueiros, que formam a linha defensiva pela primeira vez. Juninho, que estava suspenso na Copa do Brasil, volta ao lado de Paulo André. Enquanto isso, Gláuber ganhou a vaga de Carlinhos. Na ala-esquerda, Adílio, de 19 anos, vai substituir a Patrick. O meio campo terá três volantes: os garotos Roberto e Reinaldo, além do experiente Sidney. O meia Alexandre terá mais liberdade para encostar no centroavante Evandro Roncatto, uma promessa de apenas 17 anos que sempre marcou gols nas seleções de base do Brasil. A base do time é formada no próprio clube, com média de 20 anos. "Os meninos têm potencial técnico. Eles treinaram bem, mas o problema é suportar a pressão na hora do jogo com o time adversário mordendo, com a torcida em cima e valendo três pontos", comenta Joel Santana. Ele sabe que não será nada fácil segurar o campeão paranaense.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.