Guarani "junta cacos" após goleada

Um dia depois da humilhante derrota para o Rio Branco de Americana, por 4 a 0, o Guarani literalmente "juntava os cacos" no estádio Brinco de Ouro da Princesa. A vexatória exibição da equipe campineira, válido pelo Campeonato Paulista da Série A-1, provocou vários protestos da torcida. Pelo menos seis carros de diretores e algumas janelas da sede administrativa do clube foram apedrejados pelos torcedores, que tentavam chegar ao vestiário para tirar satisfações com os jogadores.A segunda derrota do Guarani em casa - a primeira foi para o São Caetano, na rodada passada, por 2 a 0 - provocou a ira da torcida. Logo após o jogo, um grupo de torcedores entrou em confronto com policiais militares que faziam a segurança no estádio. Outros preferiram descontar a raiva quebrando vidros dos carros estacionados no pátio do estádio ou da sede administrativa do clube. Os prejuízos ainda não foram contabilizados.Apesar da confusão, ninguém ficou ferido e o presidente do Guarani, José Luiz Lourencetti, culpou a Polícia Militar pelos problemas. Segundo o presidente, a PM teria exagerado na ação e, por isso, o departamento jurídico do clube enviaria nesta segunda-feira um ofício ao comando da Polícia Militar reclamando da atuação dos policiais. A rápida saída dos PMs logo depois da partida também teria contribuído, segundo os dirigentes, para que os torcedores demonstrassem toda a sua fúria. O comando do 35º Batalhão não se manisfestou oficialmente sobre os incidentes.O técnico Carlos Alberto Silva também mudou seu discurso. Reconheceu que o Guarani teve uma péssima atuação e, ao contrário das outras declarações, em que sempre elogiava os adversários, Silva afirmou que o Rio Branco não teve méritos. "O Rio Branco teve dois ataques em cada tempo do jogo e fez quatro gols", retrucou o treinador, que assumiu toda a culpa pela goleada.Enquanto se recupera da goleada, o Guarani começa a pensar na próxima rodada, domingo, quando vai jogar o São Paulo, no Morumbi. Para este jogo, o time não terá três titulares: o zagueiro Ernani e o meia Fumagalli receberam o segundo cartão amarelo e cumprem suspensão, enquanto que o atacante Marcinho, que sofreu uma fratura no nariz, deve ficar longe dos gramados até se recuperar. Antes de pegar o São Paulo, o Guarani enfrenta o Caxias-RS, nesta quarta-feira, pela Copa do Brasil. No primeiro jogo, no Sul, o Guarani venceu por 1 a 0 e, agora, depende de um simples empate para passar à outra fase.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.