Guarani luta para evitar rebaixamento

Virtualmente rebaixado à Série B do Campeonato Brasileiro, o Guarani tenta ganhar sobrevida no jogo que faz diante do Figueirense, neste sábado, às 16 horas, no estádio Brinco de Ouro, em Campinas. A luta é para evitar o descenso com três rodadas de antecedência. Na penúltima colocação da tabela, com apenas 43 pontos, o time do técnico Jair Picerni também pode enfrentar protestos de sua própria torcida.Uma derrota rebaixará o Bugre, que um dia, em 1978, já foi campeão brasileiro. Um empate pode deixar o desfigurado Guarani na UTI, dependendo dos tropeços dos clubes que já somam 49 pontos: Paysandu, Flamengo e Criciúma. A única alternativa é mesmo a vitória, o que parece ser uma missão difícil para quem tem o menor número de triunfos na competição. Foram apenas nove em 43 rodadas. É duro também lembrar que o ataque bugrino é o pior da competição, com apenas 37 gols.Cansada de tropeços, os torcedores não demonstram mais confiança no time. As lideranças das torcidas organizadas ameaçaram promover alguns protestos contra a diretoria, com faixas e até com um caixão simbólico para o enterro do presidente José Luiz Lourencetti. Tudo vai depender da autorização da Polícia Militar. A administração do Brinco de Ouro não confirmou, mas deve reforçar o esquema de segurança, não só com policiais, mas também com dezenas de seguranças particulares. Eles devem proteger jogadores e dirigentes.O técnico Jair Picerni tentou desviar a atenção dos jogadores destes problemas extra-campo. Ele isenta a maioria dos atuais titulares pela péssima campanha da temporada, mesmo porque continua escalando garotos formados no clube depois da dispensa de nove atletas, entre eles o veterano Viola, de 35 anos. A bola da vez é o meia-atacante Léo, de 21 anos, que ocupará a vaga de Evandro Roncatto, de 18 anos, que recebeu o terceiro cartão amarelo na derrota de 1 a 0 para o Botafogo, em Niterói.O time também sofrerá mudanças nas laterais. O meia Simão será improvisado na direita, função que vinha sendo exercida por Harison. Na esquerda, Patrick retorna após cumprir suspensão automática no lugar de Mariano. Sem poder contar com o zagueiro Thiago , com distensão muscular, o técnico deixou de lado o esquema com três zagueiros armando o time no 4-3-3. ?É o jogo de nossas vidas. Precisamos vencer os últimos três compromissos, então precisamos acreditar que dá. Mas, agora, só pensamos neste jogo", repetiu Picerni, exaustivamente durante a semana.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.