Guarani luta para sair da lanterna

Para sair da crise após a goleada sofrida para o Paulista, por 4 a 0, a diretoria do Guarani anunciou reforços e prometeu melhorias na organização do clube. No entanto, somente uma vitória neste sábado, contra o Ceará, às 16 horas, pela quarta rodada da Série B do Brasileiro, deve amenizar a ira dos torcedores. A revolta é maior pela situação que o time se encontra na tabela. Nem toda a tradição impede o Guarani de amargar a última colocação, com apenas um ponto ganho. O Ceará, que surpreende nas quartas-de-final da Copa do Brasil, venceu apenas um jogo na Série B e, com três pontos, é o 15º colocado. O time de Campinas teve um início de semana conturbado, com protestos e dispensas. A situação começou a ser amenizada com o anúncio de alguns reforços, como o meia Fábio Júnior, o volante Umberto e os atacantes Wágner e Reinaldo. Zé Alcino, que também chegou a ser anunciado, não aceitou fazer alguns exames médicos e foi dispensado. O técnico José Carlos Serrão elogiou o esforço da diretoria, mas adiantou que espera melhoras dentro de campo. "É sempre bom ter mais opções no elenco, mas precisamos mudar também o entusiasmo dentro das quatro linhas", explicou. O Guarani continua com os desfalques de Fábio Costa, Adalto eTucho, todos machucados. Mudança deve ocorrer apenas no meio,onde Alê, ex-Juventude, faz sua estréia na vaga de Héverton. Olateral Alemão, lesionado, ainda é dúvida. No Ceará, a novidade estará na camisa do time, na qual o novopatrocinador, uma grande multinacional de eletrodomésticos,estará estampado. Quanto ao time, a única mudança pode ser omeia Flávio, que não jogou contra o Atlético-MG por não estarinscrito na Copa do Brasil. Ele e Valdeir brigam pela vaga.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.