Guarani não muda para jogar no ABC

A derrota do Guarani para o Bahia, por 2 a 0, quarta-feira, foi a primeira na carreira de Barbieri como técnico profissional. Por isso mesmo ele pensou em alterar o time para o jogo contra o São Caetano, domingo, no ABC, mas depois, com calma, preferiu manter a mesma formação. Ele só espera que os atacantes melhorem nas finalizações. "Acho que se tivéssemos aproveitado as chances de gols, nós teríamos voltado de Salvador com outro resultado", comentou Barbieri com seus jogadores. Mas num gesto de apoio ao grupo, ele preferiu manter a mesma formação, inclusive o esquema 4-4-2. Como ainda está interino, Barbieri depende de outro resultado positivo para ser efetivado no cargo. O time, porém, vai tentar quebrar um tabu: jamais venceu o São Caetano em jogos oficiais. Fora de campo, há uma forte preocupação com o julgamento de terça-feira no Rio. O goleiro Jean e o meia Marquinhos estarão sendo julgados pelo STJD - Superior Tribunal de Justiça - do Rio de Janeiro, por causa das expulsões sofridas diante do Fluminense, no Maracanã, quando o time campineiro perdeu por 5 a 2. Jean, incurso no artigo 228, inciso III e sua pena pode ser de 60 a 360 dias. O departamento jurídico considerou estranha a atitude dos auditores do Tribunal, uma vez que o juiz Lourival Dias Filho não incluiu a tentativa de agressão na súmula. O Guarani não conta mais com o meia atacante Lúcio. Ele está acertando sua transferencia para um clube português, provavelmente o Nacional da Ilha da Madeira. A negociação toda está sendo comandada pela direção do Cruzeiro, que ainda detém os seus direitos federativos. Lúcio ganhava R$ 50 mil no Brinco de Ouro, metade do salário pago pelo time mineiro. Com o fim do acordo, agora em julho, ficou impraticável a sua permanência em Campinas.

Agencia Estado,

11 de julho de 2003 | 18h26

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.