Guarani não quer jogar a toalha

O técnico do Guarani, Jair Picerni, continua consciente de que a situação do time dentro do Campeonato Brasileiro é "bastante delicada", mas ele acredita que não é ainda a hora de se jogar a toalha na luta para fugir do rebaixamento à Série B.O empate com o Goiás, de 1 a 1, sábado à tarde, no Brinco de Ouro, frustou a expectativa positiva que havia devido aos últimos bons resultados. "Tenho o compromisso de ajudar a tirar o time desta situação. É difícil, mas temos que tentar. Realmente não fomos bem contra o Goiás, mas precisamos pensar nos próximos jogos", disse Picerni que ainda está invicto sob o comando do time. Em quatro jogos, venceu duas vezes e empatou outras duas. Após o empate, o time campineiro permaneceu na penúltima posição, agora com 39 pontos. Faltando ainda sete jogos para encerrar sua participação, o Guarani acredita que precisa de mais quatro vitórias e um empate para atingir 50 pontos, em princípio, o número mínimo para evitar o descenso. O próximo jogo do Guarani será contra o Flamengo, com 42 pontos e também ameaçado pelo rebaixamento. O jogo será realizado no sábado, às 18 horas, no Maracanã. Antes estava previsto para a cidade de Volta Redonda. Neste jogo, Jair Picerni terá a volta de três jogadores que cumpriram suspensão automática: o lateral direito Dida, o zagueiro João Leonardo e o volante Careca. Os jogadores ganharam o domingo de folga e voltam ao trabalho na manhã de segunda-feira. Confusão - A assessoria do clube divulgou nota lamentando os incidentes ocorridos antes do jogo, quando faltaram ingressos para os torcedores. Nem a diretoria previa mais de três mil torcedores no Brinco de Ouro, mas este público já estava dentro do estádio meia hora antes do início do jogo com o Goiás. Como houve falha na emissão de novos bilhetes, muitos torcedores só entraram no intervalo. Perto de mil torcedores sofreram com esta situação, que provocou inclusive alguns confrontos com a Polícia Militar. No total, 3.798 pessoas pagaram ingressos. Muitos torcedores, revoltados, voltaram antes para casa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.