Guarani procura substituto de Picerni

O clima no estádio Brinco de Ouro é de expectativa pela decisão do técnico Jair Picerni em continuar no Guarani ou aceitar o desafio de dirigir o Palmeiras na temporada de 2003. Dirigentes e amigos pressionam o técnico, que ao que tudo indica teria até domingo para dar a resposta ao presidente do clube paulista, Mustafá Contursi. A saída do técnico pode comprometer todo o planejamento do Guarani para a temporada.O técnico, que passa férias no Guarujá, deu uma escapada para se encontrar com Mustafá num restaurante em São Paulo. Picerni vestia uma bermuda, usava chinelos e confessou ser palmeirense. Discutiu valores e fez uma exigência: receber R$ 80 mil de luvas para repassá-la ao Guarani. Este valor corresponde à metade do valor recebido por um ano de contrato, que vence em junho.Se fechar o acordo, Picerni vai ganhar R$ 100 mil por mês, sem luvas, R$ 20 mil a mais do que recebe em Campinas. Esta preocupação do técnico em indenizar o Guarani também teria reforçado sua imagem positiva, de integridade, junto a Mustafá. Picerni tem ainda a opção de levar um auxiliar. O seu atual, Jair Squarizzi, está praticamente descartado, uma vez que ele mora em Campinas e tem fortes laços de amizade com os diretores do Guarani. Uma opção é Fred Smânia, fisicultor e que trabalhou como "espião" do técnico no São Caetano, principalmente durante a Copa Libertadores da América, no primeiro semestre deste ano.Squarizzi deve permanecer no Brinco de Ouro, onde o clube buscaria outro técnico com perfil semelhante para dar prosseguimento aos planos elaborados e colocados em prática, inclusive, com várias contratações. Já estão confirmados no elenco o goleiro Jean do Vitória, o lateral Paulo Henrique do Gama, o zagueiro Paulão do Juventude, o meia Esquerdinha e o atacante Vágner, ambos do São Caetano. Estão praticamente definidos o meia Lúcio do Cruzeiro e o atacante Rodrigão, ex-Santos e que estava no Botafogo-RJ.Um dos nomes cotados para substituir Picerni é Giba, ex-Jundiaí, e que curiosamente, negou um convite do Palmeiras para comandar o time no Brasileirão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.