Guarani que confirmar logo três reforços indicados por Ney da Matta

Escobar, Felipe Matheus e Claudinei foram pedidos pelo novo treinador

Estadão Conteúdo

05 de dezembro de 2016 | 20h00

Depois do acerto com o técnico Ney da Matta, o Guarani espera confirmar oficialmente nesta semana a contratação de dois ex-jogadores do Boa: os meias Escobar e Felipe Matheus. O volante Claudinei, do América-MG, também está acordado. Os três só precisam assinar contrato.

Estes três reforços foram indicados pelo novo técnico. Não é o caso do goleiro Flaysmar e do atacante Anderson Oliveira, duas apostas feitas em cima de dois ex-jogadores do Guaratinguetá, rebaixado este ano para a Segunda Divisão paulista e para a Série D do Campeonato Brasileiro.

As negociações estão sendo feitas pelo presidente Horley Senna e também pelo diretor de futebol Anaílson Neves. Eles esperam definir mais alguns reforços até o final da semana. O Guarani vai disputar em 2017 o Campeonato Paulista da Série A2 e o Brasileiro da Série B. O teto máximo mensal com o futebol estabelecido é de R$ 500 mil, ou seja, R$ 150 mil a menos do que era na Série C.

Mas ainda falta uma competição no calendário do clube: a Copa do Brasil. E se a situação já não era boa, a perspectiva não melhora para o próximo ano. Pelo contrário: o Guarani perdeu pontos deste ano para o que vem. A temporada de 2016 fechará para o Guarani com 2.359 pontos, 290 a menos que 2015, quando fez 2.649 e terminou na 46.ª posição geral.

Para se classificar a uma das principais competições nacionais, o Guarani depende do Ranking de Clubes da CBF (Confederação Brasileira de Futebol), que dá aos 10 melhores clubes ainda não classificados pelos estaduais o direito de disputar a Copa do Brasil. Em 2017, o pacote já está quase completo, restando apenas a última rodada do Campeonato Brasileiro para decidir quem entrará direto nas oitavas de final - direito dado aos sete primeiros do Nacional.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.