Guarani quer que Lusa perdoe dívida

A diretoria do Guarani já admite liberar o atacante Sinval para a Portuguesa de Desportos, mas impõe uma condição: quer o perdão da Lusa de uma dívida de R$ 500 mil, ainda referente ao empréstimo do atacante Cléber, ano passado. O time de Campinas já tem inclusive um substituto para o comando de ataque: Zé Carlos, que depende de um acerto final com o Botafogo carioca.A saída de Sinval pegou os dirigentes de surpresa. Ele acertou seu retorno para a Portuguesa, clube onde foi revelado, muito chateado com os seguidos atrasos salariais no Brinco de Ouro. O problema é que ele tem contrato com o Guarani até setembro. O vice-presidente do clube, Luis Ferrari, já disse que não aceita mais a integração do atacante ao elenco. O Guarani tem um argumento forte para negociar com a Portuguesa: Cléber atuou apenas dois jogos oficiais pelo time e rescindiu contrato. Com relação a Zé Carlos, o assunto está sendo tratado pelo empresário Luis Taveira. Ele fez vários contatos com o Botafogo e tenta contornar alguns débitos anteriores que atrapalham as negociações. O acerto salarial com o Guarani está praticamente definido. A outra opção do time é Rafael Silva, atacante do time de juniores na Copa São Paulo. O elenco continua trabalhando na cidade de Monte Sião, com os seis reforços contratados para a disputa do Rio-São Paulo. Todos sem expressão: o goleiro César, o lateral Roberto Silveira, o zagueiro Aderaldo, os meias Dudu e Souza, além do atacante Beto.

Agencia Estado,

08 de janeiro de 2002 | 12h59

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.