Guarani rebaixado pela 1ª na história

O Guarani não teve competência para vencer a Portuguesa Santista, nesta tarde, no estádio Brinco de Ouro, em Campinas. Empatou em zero a zero, tendo que ir para a cobrança dos pênaltis para decidir o único ponto já sabendo que estava re baixado para a Série A-2, a segunda divisão do futebol paulista. O Guarani ainda ganhou a disputa de cobrança de pênaltis, por 3 a 1, somando seu primeiro ponto após oito rodadas. Com apenas 15 pontos em 15 jogos, o time está rebaixado junto com o Mogi Mirim, que foi goleado pelo Santos (5 a 1).Esta é a primeira vez na história que o Guarani é rebaixado, desde 1949 quando conseguiu o acesso à elite do futebol paulista. Até então, era o único clube do interior que não tinha sido rebaixado. Ao final do jogo, houve muita revolta por parte da torci da, com alguns torcedores tentando agredir o presidente José Luiz Lourencetti, acompanhado do coro de "fora Lourencetti".No campo, os jogadores choravam e até o técnico Carlos Alberto não se conteve e ficou em prantos. "Meu Deus, nunca imaginei que o Guarani fosse cair em minhas mãos...". lamentou, com lágrimas nos olhos.A situação dramática vivida pelo Guarani no Paulistão tirou a tranqüilidade do time. Os jogadores começaram o jogo muito nervosos, refletindo no excesso de passes errados e na falta de objetividade. A Santista, como franca atiradora, tratou de tocar a bo la no meio-campo para aguardar o momento certo de atacar. E, para surpresa geral, criou três boas chances para abrir o placar. O Guarani demorou para incomodar o goleiro Sandro, assim mesmo com chutes de longa distância de Lindomar e Luciano Baiano.Aos 36 minutos, a pequena torcida presente ao estádio Brinco de Ouro, perdeu a paciência, gritando em côro "queremos raça...". Os torcedores tinham razão. O Guarani não apertava a marcação, muito menos tinha velocidade na saída de bola, com um futebol so nolento. O primeiro tempo acabou sem gols e, naquela altura, os demais resultados favoreciam ao time campineiro. Só ele não fazia sua parte.Para mudar o panorama em campo, o técnico Carlos Alberto Silva fez duas mudanças no intervalo. Colocou Fumagalli e Marcinho, respectivamente, nos lugares de Renato e Henrique. O time ganhou em velocidade, mas ainda criava poucas chances. A torcida voltav a a apoiar o time, mesmo porque o Santos vencia o Mogi, de virada, por 2 a 1, e o São Caetano fazia 3 a 0 no União Barbarense. O Guarani, porém, continuava apático e com um futebol medíocre, mas precisando apenas da simples vitória para não dar vexame.Aos 33 minutos do segundo tempo, novo protesto da torcida pedindo raça. No final do jogo, o Guarani ainda reclamou de duas penalidades máximas não marcadas. Uma em cima de Fumagalli e outra sobre Zé Carlos. Na cobrança de pênaltis, os bugrinos marcaram: Fumagalli, Edu Dracena e Zé Carlos. Pela Santista, Lima marcou e Capitão teve sua cobrança defendida pelo goleiro Gilberto. Final: 3 a 1. A equipe do Guarani que acabou rebaixada jogou com Gilberto; Luciano Baiano, Ernani, Edu Dracena e Rafael (Éderson); Alexandre, Fausto, Lindomar e Renato (Fumagalli); Henrique (Marcinho) e Zé Carlos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.