Guarani: técnico não perde esperança

O Guarani ficou mais longe da vaga para a próxima fase do Campeonato Paulista da Série A-1, mas nem por isso vai jogar a toalha. Mesmo abatidos depois de sofrer a segunda goleada consecutiva no Paulistão, desta vez para o São Paulo, por 4 a 1, os jogadores garantem que vão continuar lutando. "Está na hora de mostrar que somos homens", disse o goleiro Edervan, na reapresentação do elenco.Com 14 pontos e ocupando a 11ª posição na tabela, o Guarani acabou ficando mais longe da classificação e caiu, definitivamente, em desgraça com a torcida. Irritados com as derrotas para São Caetano (2 a 0), Rio Branco (4 a 0) e agora para o São Paulo (4 a 1), os torcedores prometem se afastar ainda mais do estádio Brinco de Ouro da Princesa."Devemos enfrentar a torcida de peito aberto e com coragem", declarou o técnico Carlos Alberto Silva, mostrando-se abatido com os resultados negativos. "Estou chateado, porque não me lembro de ter sofrido duas goleadas seguidas assim em toda a minha carreira", completou.O medo maior é de que a torcida faça protestos como o da semana passada, quando o time perdeu para o Rio Branco em casa. Vidros de carros e da sede administrativa do clube foram apedrejados, depois que um grupo de torcedores tentou invadir o vestiário para tirar satisfações com os jogadores. Alguns deles também foram ameaçados ao saír do estádio.Apesar dos problemas, Silva manteve o mesmo discurso utilizado na goleada para o Rio Branco. "O São Paulo desceu quatro vezes e marcou quatro gols. Nós criamos muitas situações e fizemos só um gol. O que está faltando é a bola entrar e vamos continuar lutando. Nada está perdido", resumiu o treinador.O próximo adversário do Guarani no Campeonato Paulista é a Matonense, em Campinas, no domingo. O time também vai enfrentar o Atlético-PR pela Copa do Brasil, mas a data da partida ainda não foi definida pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.