Phil Noble / Reuters
Phil Noble / Reuters

Guardiola entra em discussão com torcedores do City por lugares vazios no estádio; entenda

Técnico pediu maior presença do público e representante dos fãs não gostou, mas o treinador se recusou a pedir desculpa e disse que poderia ir embora

Redação, O Estado de S.Paulo

18 de setembro de 2021 | 18h27

Ter o estádio cheio de torcedores costuma ser considerado uma grande vantagem para o time da casa, e algo que os técnicos apreciam. Por isso, Guardiola pediu maior presença dos torcedores do Manchester City nos jogos da Liga dos Campeões, após o Etihad Stadium ter quase 17 mil lugares vazios na partida contra o RB Leipzig, mas os representantes da torcida não apreciaram. A arena tem capacidade para 55 mil torcedores.

"Nos últimos três jogos que fizemos aqui, marcamos 16 gols. Eu queria que viesse mais gente no próximo, no sábado. Precisamos de mais gente no sábado, por favor. Estaremos cansados. O time de Ralph (Hasenhüttl, técnico do Southampton) é bem similar na maneira como joga. É muito perigoso. É um jogo importante para nós. Convido toda nossa torcida para vir no próximo sábado, às 15h, para ver o jogo", pediu Guardiola. A partida deste sábado acabou empatada em 0 a 0, e teve 52,7 mil torcedores presentes.

Após a declaração de Guardiola, o secretário-geral do grupo oficial de torcedores do Manchester City, Kevin Parker, criticou as declarações e afirmou que Guardiola "deveria se limitar a ser técnico". "Acho que ninguém do clube deveria questionar a lealdade dos torcedores. É frustrante. Fiquei surpreso. Não sei o que isso tem a ver com ele. Ele é absolutamente o melhor técnico do mundo, mas, da maneira mais gentil possível, acho que talvez ele deveria se limitar a isso", disse Parker.

O torcedor ainda demonstrou incômodo com piadas feitas por torcedores rivais. "Questionar a torcida, que é efetivamente o que ele está fazendo, é decepcionante e desnecessário. Cai no colo dos torcedores de outros times que querem aproveitar cada oportunidade para bater no City pelo que eles acham que são públicos ruins. As pessoas se referem ao Etihad como ‘Emptyhad’. É um pouco de brincadeira dos torcedores rivais, mas nossos públicos são geralmente excelentes", disse. 'Emptyhad' é um trocadilho que junta o nome do estádio com a palavra 'empty', que significa vazio.

Guardiola não gostou da resposta e disse a tréplica em tom muito mais irritado na entrevista coletiva antes do jogo com o Southampton. "Interpretação é interpretação. Não pedirei desculpas pelo que eu disse porque fui honesto. Não foi a primeira vez na minha carreira que disse. Fiz o mesmo no Barcelona e no Bayern de Munique. Eu amo este clube, sou parte do clube, do contrário não estaria na minha sexta temporada aqui", afirmou Guardiola. Na opinião do técnico, Parker é quem deveria revisar os comentários.

"Por isso estou tão chateado, irritado e desapontado que este cara pretende me dizer o que devo falar e fazer. Eu sei exatamente quais são minhas intenções aqui. Quando as pessoas não estiverem felizes comigo, eu sairei. Se sou um problema com os torcedores, irei embora", disse, com raiva. Após o empate com o Southampton, Guardiola não deu novas declarações sobre o assunto, mas disse lamentar que o time tenha jogado mal.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.