AFP/Lluis Gene
AFP/Lluis Gene

Guardiola manda recado para técnico do Paris Saint-Germain: 'Nunca tire Messi'

Craque argentino foi substituído por Pochettino no segundo tempo da partida contra o Lyon e saiu de campo visivelmente irritado

Redação, Estadão Conteúdo

24 de setembro de 2021 | 13h18

O jogo do Paris Saint-Germain contra o Lyon, no último domingo, no estádio Parque dos Príncipes, em Paris, pelo Campeonato Francês, ficou marcado por um clima de poucos amigos entre os argentinos Lionel Messi e Mauricio Pochettino. O craque começou como titular, mas, no segundo tempo, foi retirado de campo pelo técnico - e saiu visivelmente irritado. Para o espanhol Pep Guardiola, foi um erro do treinador.

Os dois trabalharam juntos na "era de ouro" do Barcelona e formaram uma parceria inesquecível no futebol. Entre 2008 e 2012, ganharam 14 títulos em 19 disputados, incluindo duas edições da Liga dos Campeões da Europa. Segundo Guardiola, hoje técnico do Manchester City, um dos segredos é nunca substituir o craque.

"Você tem que falar pouco com o Leo (Messi) e montar um time com colegas que facilitam o trabalho dele. Além disso, deve ouvir muito bem o pouco que ele fala e não se esquecer que ele nunca deve ser substituído, nem mesmo para ser aplaudido", disse o treinador em entrevista à ESPN.

A irritação de Messi com Pochettino aconteceu no último domingo. Aos 31 minutos do segundo tempo, o treinador optou por colocar o lateral-direito marroquino Hakimi em campo no lugar do argentino. O técnico estendeu a mão para cumprimentar o camisa 30, mas o ex-jogador do Barcelona não aceitou - apenas olhou para o comandante e passou direto.

O jogo terminou com vitória do Paris Saint-Germain por 2 a 1 sobre o Lyon, com gols de Neymar e Mauro Icardi. Apesar do descontentamento de Messi, mais tarde foi constatada uma lesão no joelho do jogador, que o tirou do jogo da quarta-feira passada contra o Metz e o deixará de fora também contra o Montpellier, neste sábado, em Paris.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.