Marcos Brindicci/Reuters
Marcos Brindicci/Reuters

Guerrero minimiza reserva na seleção peruana: 'Respeito a decisão do treinador'

Atacante começou no banco em derrota do Peru para a Dinamarca

Estadão Conteúdo

16 Junho 2018 | 17h46

O técnico da seleção peruana, Ricardo Gareca, surpreendeu na escalação do time neste sábado e deixou o centroavante Guerrero na reserva no duelo contra a Dinamarca. O jogador só entrou em campo aos 15 minutos do segundo tempo, logo depois que a Dinamarca havia aberto o placar.

+ Cueva chora por errar pênalti e recebe apoio dos jogadores e do São Paulo

+ Gareca diz que derrota da seleção peruana foi injusta: 'Eles foram mais efetivos'

Guerrero chegou a treinar nos dias anteriores entre os reservas, mas a imprensa peruana acreditava ser apenas uma estratégia do treinador. Não foi. Quando finalmente foi a campo neste sábado, ele fez um bom jogo e criou duas oportunidades.

Em uma delas tocou de calcanhar e a bola tirou tinta da trave. Na outra, cabeceou para defesa do goleiro adversário. Mas nem ele nem o restante da seleção conseguiram evitar a derrota por 1 a 0 em Saransk, pela primeira rodada do Grupo C da Copa do Mundo.

Após a partida, Guerrero evitou entrar em polêmica sobre o fato de não ter começado em campo. "Tenho que respeitar as decisões do treinador e estarei pronto quando ele precisar", afirmou o jogador que só disputa o Mundial porque conseguiu um efeito suspensivo na Justiça Comum da Suíça.

 

Guerrero foi punido com 14 meses de suspensão pela Corte Arbitral do Esporte (CAS) por doping. O jogador chegou a cumprir seis meses e conseguiu o efeito suspensivo a 17 dias do início da Copa do Mundo.

Sobre a partida, o centroavante considerou injusto o resultado. "Todos nós saímos frustrados. Merecíamos ganhar. Mas o futebol é assim. Quando não se marca às vezes acaba acontecendo isso", disse. "Temos que ser mais objetivos. Temos que finalizar as jogadas. Tiveram ocasiões de gol que a bola poderia ter entrado e não entrou", prosseguiu.

Guerrero também prestou solidariedade a Cueva, que desperdiçou uma cobrança de pênalti ainda no primeiro tempo quando o jogo estava empatado em 0 a 0, e deixou o gramado chorando. "Poderia ter acontecido com qualquer um. Fui falar com ele (no intervalo da partida) porque é um jogador fundamental dentro da equipe e precisava se recuperar", afirmou.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.