José Patrício/Estadão
José Patrício/Estadão

Guerrero supera trauma de cirurgia e só deve voltar em 30 dias

Operação é conduzida pelo médico do Corinthians, Joaquim Grava

Fábio Hecico, Agência Estado

24 de outubro de 2013 | 13h41

SÃO PAULO - Com um dia de atraso, o atacante peruano Paolo Guerrero passou por cirurgia para corrigir fratura do quinto metatarso do pé esquerdo, no Hospital São Luiz, em São Paulo. O jogador do Corinthians passa bem e deverá voltar a treinar em 30 dias. "Foi tudo bem, graças a Deus", comemorou o consultor médico do Corinthians, Joaquim Grava. Responsável pela cirurgia, Grava teve de atuar também como "psicólogo" para tranquilizar o atacante, que tem trauma após sofrer cirurgia em 2009, nos Estados Unidos, na qual recebeu anestesia geral e demorou para acordar.

"Fui cedinho para o hospital e conversei bastante com o Guerrero, expliquei o que de bom aconteceria para ele, que aceitou bem", disse Joaquim Grava. Guerrero, após dois dias internados, relutava em passar pelo processo cirúrgico. "Até no momento da operação, ele ainda estava um pouco receoso, mas correu tudo sem problemas." Guerrero será reavaliado por Joaquim Grava na terça-feira, quando deve iniciar a fisioterapia. "Em quatro semanas, ele já estará batendo bola", prevê o médico. A volta a um jogo oficial, contudo, só deve ocorrer em 2014.

Depois de enfrentar seus medos - com uma crise de pânico -, o atacante não teve coragem de realizar o procedimento na quarta-feira, como estava previsto. Agora, Guerrero resolveu mostrar sua satisfação com a cirurgia bem-sucedida. Em sua conta do facebook, ele postou uma foto deixando o centro cirúrgico e agradeceu o apoio dos fãs. "Graças a Deus a operação saiu muito bem, acompanhado de minha família e amigos. Agradeço a todos pelas mensagens e as boas vibrações neste momento. Agora é trabalhar muito duro para voltar a fazer gols. Um abraço a todos!", postou Guerrero.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.