Guerrón pede 'inteligência' ao Cruzeiro na altitude

O meia-atacante Guerrón, que foi campeão da Copa Libertadores de 2008 pela LDU, do Equador, e hoje defende o Cruzeiro, será uma das principais armas do time mineiro na próxima edição da competição continental. E o fato de ter se acostumado a jogar na altitude é um diferencial a mais para o jogador, que já começa a dar dicas aos companheiros sobre como devem se portar nesta condição geográfica em partidas realizadas fora de casa.

AE, Agencia Estado

14 de janeiro de 2010 | 12h39

Na primeira fase da Libertadores, o Cruzeiro vai enfrentar o Real Potosí, na cidade de Potosí, na Bolívia, que se localiza a 3.967 metros acima do nível do mar, em confronto no próximo dia 27. Na Libertadores de 2008, a equipe de Belo Horizonte amargou uma derrota de 5 a 1 para o time boliviano, jogando na casa do adversário.

Guerrón, que na LDU atuava em Quito a 2.800 metros de altitude, pede inteligência aos jogadores do Cruzeiro para suportar os duros efeitos da altitude. "Penso que é similar ao Equador e à altitude de Quito. Mas agora estou jogando no Brasil, que é diferente. O Cruzeiro tem que ser muito inteligente para jogar na altitude e acho que temos qualidade para fazer um bom resultado", afirmou, em entrevista publicada pelo site oficial do time mineiro.

Do atual elenco do Cruzeiro, Guerrón é o único jogador que já foi campeão da Libertadores. Agora, ele vê grande chance de conquistar o título mais uma vez neste ano. "É algo que me deixa emocionado ter sido campeão de um torneio muito importante. A oportunidade de jogar novamente é muito boa. Espero fazer a coisa certa para ajudar o Cruzeiro, que é um time muito grande", disse.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolCruzeiroGuerrónLibertadores

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.