Guilherme pode ir para o Hertha

Os dirigentes do Atlético-MG vivem a expectativa, esta semana, pelo recebimento de uma proposta oficial do Hertha Berlin, da Alemanha, para a compra do passe do atacante Guilherme. Segundo assessores do clube mineiro, o time alemão teria entrado em contato inicialmente com o procurador do jogador, Luís Taveira. A informação é de que, na quarta ou na quinta-feira, dirigentes alemães estejam em Belo Horizonte para formalizar a oferta. Eles estariam dispostos a pagar algo em torno de US$ 6 milhões pelo passe de Guilherme, artilheiro do Atlético na temporada, com 33 gols, e que já atuou no futebol europeu, pelo Rayo Vallecano, da Espanha, durante três anos. Na negociação também poderia ser incluído o empréstimo aos atleticanos, por um ano, do atacante Alex Alves, ex-Cruzeiro. Outra expectativa dos dirigentes do time de Minas é em relação à possível negociação do volante Gilberto Silva, um dos destaques do elenco no Brasileiro. Silva estaria em uma lista de meias pretendidos pelo Bayern Leverkusen, também da Alemanha. Na mesma lista, porém, estaria outro mineiro: o volante Ricardinho, do Cruzeiro. O Bayern informou, no entanto, que só definirá contratações após acertar o orçamento do clube para 2002, o que deve levar alguns dias. Fifa - Enquanto esperam obter recursos para diminuir a crise financeira do clube - na próxima semana, o Atlético também comunica oficialmente o acerto de uma parceria com uma empresa de nome ainda não revelado, para exploração da marca do clube -, os dirigentes mineiros enfrentam um grave problema. A direção do Uberlândia, clube do Triângulo Mineiro, informou nesta segunda-feira que entrar com um recurso na Fifa contra o time de Belo Horizonte. O advogado da equipe do interior, Guilherme Aquino, explica que o Atlético vendeu, no ano passado, o passe do atacante André, ex-Uberlândia, para o Benfica, de Portugal, por US$ 2 milhões.Acordo firmado entre os dois clubes mineiros, quando da ida de André para o Alvinegro, previa que se o jogador fosse novamente negociado o Uberlândia teria direito a 15% da transação - no caso, US$ 300 mil. "O Atlético não pagou este valor", diz o advogado. A expectativa dos dirigentes do Uberlândia é que, com a possível venda de Guilherme para o futebol alemão, os atleticanos honrem o compromisso. "Se isso não acontecer, acredito que o Atlético estará sujeito a sanções da Fifa", afirma Aquino.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.