Guimarães diz que não que ser um "peso" para a Costa Rica

O técnico da Costa Rica, o brasileiro Alexandre Guimarães, não escondeu a decepção com a desclassificação precoce de sua seleção após duas derrotas, e enfatizou que não quer "ser um peso para nada", embora tenha negado já que colocou seu cargo à disposição da direção da Federação Costarriquenha de Futebol (FCF).Para Guimarães, as duas derrotas seguidas, contra a Alemanha e o Equador, era uma "circunstância que não estava prevista" nos planos costarriquenhos. "Nós trabalhamos muito e bem para que os resultados fossem o contrário do que foram. Isso é o que mais dói", afirmou o técnico.O técnico ainda disse que esse tipo de resultado acontece devido à falta de experiência da seleção. "Se a organização local não permite treinarmos direito, teremos de esperar um outro tipo de ajuda. Talvez divina", disse Guimarães.Os jogadoresA seleção costa-riquenha voltou nesta sexta-feira à sua concentração em Waldorf se questionando sobre o que teria acontecido à equipe no jogo contra o Equador. Apesar de ter perdido antes da Alemanha, no jogo inaugural da Copa do Mundo que acabou em 4 a 2 para o time da casa, a seleção da Costa Rica tinha esperança de vencer o duelo latino-americano e lutar por uma vaga nas oitavas-de-final."Temos nível para conseguir a classificação para o Mundial, mas paramos por aí", lamentou o zagueiro Luís Marín, capitão do time. Em meio aos que lamentavam a falta de sorte, como os atacantes Gómez e Wanchope, o meia Ceteno foi duro. "Perdemos bolas fáceis, algo que não é normal em nosso time, e foi aí que a desconfiança se espalhou", disparou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.