Gum quer um título para o Fluminense de 2014 entrar na história

Zagueiro já defendeu o clube por 254 jogos e espera por uma conquista para apagar a má impressão deixada no ano passado

Estadão Conteúdo

08 de agosto de 2014 | 16h17

Jogador do elenco do Fluminense com mais partidas disputadas - 254 -, Gum, pode falar com propriedade sobre os últimos anos, seja nos momentos de conquistas, como nos dois títulos brasileiros, em 2010 e 2012, e também naqueles mais difíceis, de luta contra o rebaixamento.

Apesar de estar empolgado com o bom momento do time, vice-líder do Campeonato Brasileiro, o jogador adota cautela ao avaliar o potencial da equipe e qual espaço ela terá na história. E ele destaca a importância que a conquista de um título nacional poderá ter.

"Esse time está muito bem, com consciência tática. Não posso falar ainda que é a melhor equipe de todos esses anos, pois só o tempo vai dizer. A melhor é a que ganha. A forma que está jogando é a melhor. Mas se não concretizar com títulos, ninguém vai lembrar do futebol bonito. De nada vai adiantar. Estamos felizes que estamos bem, mas com a consciência de que não ganhamos nada ainda. Enquanto não for campeão, as outras, que conquistaram títulos, serão consideradas as melhores", disse.

Após a Copa do Mundo, o Fluminense perdeu para o Criciúma por 3 a 2, mas agora acumula quatro partidas sem ter a defesa vazada. Para Gum, o jogo em Santa Catarina foi uma exceção. Assim, ele destacou a segurança do sistema defensivo do time das Laranjeiras.

"Já estávamos trabalhando bem antes, tanto que a sequência de jogos comprovou isso. O resultado em Criciúma foi injusto. A equipe tem crescido a cada jogo. Todo mundo tem cumprido seu papel. A defesa está compacta e não sofrendo gols, ficamos mais próximos das vitórias. A equipe vem jogando com posse de bola, como tem pedido o Cristóvão, e está no caminho certo", comentou.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolBrasileirãoFluminenseGum

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.