Ivan Storti/Santos FC
Ivan Storti/Santos FC

Gustavo Henrique diz que sua expulsão no início do jogo foi justa no Mineirão

'Fui tentar pegar a bola, infelizmente não consegui e acabei acertando o jogador rival', lamenta o zagueiro do Santos

Redação, Estadão Conteúdo

18 de agosto de 2019 | 21h16

Após ser batido pelo São Paulo no último fim de semana, o Santos voltou a perder pelo Campeonato Brasileiro neste domingo. Na estreia de Rogério Ceni, o Cruzeiro se impôs sobre o líder da competição e venceu por 2 a 0, no Mineirão, com gols de Fred e Thiago Neves.

O triunfo mineiro foi facilitado pela expulsão de um jogador do Santos no começo da partida. No primeiro minuto de jogo, Gustavo Henrique deu carrinho perigoso e derrubou Pedro Rocha na entrada da área. Com o auxílio do árbitro de vídeo (VAR), Anderson Daronco marcou a irregularidade e mostrou o cartão vermelho para o zagueiro. Antes, o juiz não tinha marcado nada.

Com um jogador a mais durante praticamente todo o confronto, o Cruzeiro não teve dificuldades para superar o Santos, que sofreu para se reestruturar taticamente após ficar com dez. De acordo com o técnico santista Jorge Sampaoli, "o cartão vermelho foi muito determinante no desenvolvimento do jogo". O argentino preferiu não comentar a decisão da arbitragem, mas o próprio Gustavo Henrique admitiu que cometeu um erro em Belo Horizonte.

Questionado sobre a expulsão, o zagueiro doi sincero. "Acho que foi justa (a expulsão). Na primeira jogada, fui tentar pegar a bola, infelizmente não consegui e acabei acertando o jogador rival", explicou. "Claro que dificultou muito o jogo e não era o que eu queria para o Santos. Tentei ajudar os companheiros e a equipe, mas infelizmente a gente tem dias ruins, mas amanhã já é outro dia e a gente vai continuar trabalhando", completou. Mesmo com o tropeço, o Santos continua na liderança do Brasileirão.

Companheiro de Gustavo Henrique na zaga santista, Lucas Veríssimo destacou o impacto do cartão vermelho. "Na verdade, a gente traçou uma meta de jogo e trabalhamos em cima disso durante a semana. Como eu falei, com um minuto a gente acabou perdendo um jogador e tivemos de mudar totalmente o nosso estilo de jogo", ponderou. "Talvez a gente pudesse ter ficado um pouco mais recuado e ter saído no contra-ataque, mas infelizmente eles ficaram em cima no jogo todo e uma hora ia acabar entrando, e infelizmente entrou", lamentou o defensor.

O zagueiro garantiu, porém, que o Santos não se abaterá no decorrer da competição. "Viemos para vencer e acabou não acontecendo. Agora é erguer a cabeça, tem muito campeonato pela frente. A nossa equipe vem bem e não é porque perdemos dois jogos seguidos que a gente vai baixar a bola", afirmou Veríssimo.

Apesar das duas derrotas em sequência, o Santos segue na ponta, mas sem "gordurinha". Os comandados de Sampaoli somam 32 pontos, dois a mais do que Flamengo e Palmeiras. Na próxima rodada, o clube alvinegro recebe o Fortaleza, ex-time de Ceni, no domingo, às 16 horas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.