Gustavo Henrique volta e é testado no lugar do suspenso David Braz no Santos

Enderson Moreira formou três times, mesclando titulares e reservas, no treinamento técnico realizado nesta quarta-feira no CT Rei Pelé. Mas, embora tenha escalado três equipes, aproveitou a atividade para testar a zaga com Gustavo Henrique no lugar de David Braz (suspenso pelo terceiro cartão amarelo), com Cicinho, Werley e Chiquinho (recuperado de lesão na coxa) e o ataque com Gabriel ao lado de Geuvânio e Ricardo Oliveira, em razão do desfalque Robinho no jogo deste domingo, contra o Botafogo, em Ribeirão Preto, pelo Campeonato Paulista.

SANCHES FILHO, Estadão Conteúdo

04 Março 2015 | 19h13

"Sai do time por opção do treinador, mas venho trabalhando forte para reconquistar a minha posição", disse Gustavo Henrique. O jovem zagueiro começou o Campeonato Paulista como titular, mas foi para o banco para a entrada de Werley contra o Red Bull Brasil, sob alegação do treinador de que ele estava com limitações para fazer alguns movimentos em razão da longa inatividade. Gustavo sofreu rompimento do ligamento cruzado anterior do joelho direito durante um treino em fevereiro de 2014 e só voltou a jogar neste ano.

"Estou me sentindo bem e jogando sem nenhuma limitação, mas acho que o treinador sabe o que está fazendo. No primeiro tempo da primeira partida (contra o Ituano), senti um pouco de falta de ritmo e do tempo de bola, mas na etapa final não perdi nenhuma disputa de bola", lembrou.

Gustavo Henrique espera ter uma sequência de jogos para se recuperar do ano perdido de 2014. "Tive um ano muito bom em 2013 e achava que em 2014 iria me firmar e criar uma identificação maior com a torcida, mas a lesão atrapalhou meus planos. Eu estava nas lista de Gallo e também fiquei fora de algumas convocações de seleções de base. Mas são águas passadas", afirmou.

O jovem zagueiro se sente à vontade para ocupar o lugar de David Braz, um dos jogadores de confiança de Enderson, contra o Botafogo. "Acho que a minha entrada muda pouco, mas o time ganha na bola aérea porque além de ser muito alto (1,96m), tenho bom tempo de bola, embora David Braz também seja bom cabeceador".

Com cuidado para não criar polêmica, Gustavo Henrique não concorda com Enderson, que disse, em entrevista à Rádio Bandeirantes, que alguns jogadores jovens do Santos se sentem mais do que são. "Eu acho que nenhum jogador jovem se acha ''muito'' aqui. Talvez a gente, por estar começando agora, tenta mostrar o potencial e às vezes acaba confundindo as coisas. Mas os jogadores jovens que estão aqui sempre procuram ver os exemplos do mais velhos", enfatizou.

Mais conteúdo sobre:
futebol Santos FC Enderson Moreira

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.