Gustavo Nery quer esquecer a Alemanha

Quer motivar o novo titular da camisa 6 do Corinthians? Basta dizer que se ele não jogar bem, será mandado de volta para o Werder Bremen, seu antigo clube. Gustavo Nery tem calafrios ao falar do futebol alemão e quer apagar de vez sua curta passagem, de oito meses, por aquele país.Reclama de tudo, também pudera. Depois de se contundir no fim de agosto de 2004, foi operado no braço esquerdo, passou três meses se recuperando e sem receber salário. Voltou, não teve muitas chances e isso tudo sob temperaturas de até 10 graus negativos. Não à toa: "Estou muito feliz em São Paulo, não quero sair mais".Desde o dia 30 de agosto, data em que ocorreu a lesão, não joga uma partida completa. Estreou mal no Corinthians, na derrota por 3 a 0 para o Cianorte, pela Copa do Brasil. "Mas agora é outro jogo e me sinto cada dia mais bem preparado fisicamente." Nery garantiu a posição no treino de sexta-feira, mesmo dia em que recebeu a inesperada notícia da convocação para a seleção brasileira, a terceira em sua carreira.História mal contada - A transferência do lateral para o Parque São Jorge por pouco não foi prejudicada. No fim de fevereiro, os diretores do Werder Bremen já haviam acertado a negociação do atleta e o Corinthians o esperava como reforço quando, em última hora, os alemães exigiram uma carta de crédito - no valor pedido por ele (cerca de R$ 5 milhões) - para liberá-lo. O motivo do pedido seria a desconfiança em relação à capacidade financeira da MSI. "Me prenderam lá. Poxa, mas não dava para mandar um documento assim, de uma hora para a outra."Nery bateu o pé, fez de tudo para partir. "Queria retornar logo ao Brasil". O Werder Bremen mandou-o por empréstimo e não definitivamente. "Quando o Corinthians enviar a carta de crédito, passa a valer os cinco anos de contrato", explicou. Foi inscrito no Estadual no último dia permitido pelo regulamento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.