Gyan confia em fim do 'azar' de Gana na Copa Africana

Segunda maior vencedora da história da Copa Africana de Nações - atrás do Egito - a seleção de Gana era a principal ganhadora da competição até 1982, quando faturou seu quarto e último título. De lá para cá já são 31 anos de jejum, que pode estar chegando ao fim, de acordo com o atacante Asamoah Gyan. Ele acredita que a equipe pode voltar a conquistar o torneio nesse ano, na África do Sul.

AE, Agência Estado

08 de janeiro de 2013 | 11h17

"Estou muito esperançoso que acabaremos com o azar e enceraremos o longo jejum de títulos africanos", declarou, em entrevista publicada no site da Fifa, antes de ressaltar seu respeito pelas outras seleções. "Nenhuma equipe pode ser subestimada nesse nível."

A seleção de Gana está no Grupo B da competição e estreia no dia 20 de janeiro, contra a República Democrática do Congo. Depois, terá pela frente Mali e Níger. "As quatro equipes do grupo são fortes concorrentes. Jogamos contra Mali em 2012 e vimos sua performance. Níger, apesar de não ser uma grande seleção, tem suas forças e pode nos causar problemas", comentou Gyan.

Apesar do histórico de 60 partidas por sua seleção, o atacante ficou marcado por um lance na Copa do Mundo de 2010, quando, nas quartas de final diante do Uruguai, perdeu um pênalti no último minuto da prorrogação e viu Gana ser eliminada. "Não bato mais pênaltis por Gana. Minha mãe pediu e desde que ela morreu decidi seguir seus conselhos", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.