Há 39 anos, Palmeiras recebia o rival em sua casa pela última vez

Há 39 anos, Palmeiras recebia o rival em sua casa pela última vez

Ezequiel estava nas arquibancadas e lembra como foi a partida. Para ele, a nova arena palmeirense ganha alma com o clássico

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

08 de fevereiro de 2015 | 07h07

Os 14.234 torcedores presentes no Palestra Itália no dia 21 de janeiro de 1976 não imaginavam que demoraria quase quatro décadas para aqueles dois times voltarem a se enfrentar naquele estádio. O palmeirense José Ezequiel Filho era um dos que estavam naquele Palmeiras x Corinthians. E lembra com saudade dos tempos em que ir a um clássico não era perigoso.

O jogo era válido pela Taça Governador do Estado, um torneio com caráter amistoso, e o placar foi de 1 a 1. Tião marcou para os visitantes, e Nei empatou aos 43 minutos do segundo tempo.

"Eles abriram o placar no primeiro tempo e a torcida já cantava música tirando sarro, até que o Nei marcou e fez a gente ir embora com um gosto de vitória", contou o torcedor de 60 anos – ele tinha 21 na época. "Era raro ter clássico no Palestra, mas era muito gostoso."

Antes de a bola rolar, Ezequiel lembra que o estádio ficou cerca de 40 minutos sem luz. Quando a energia voltou, foi anunciada pelo sistema de som a contratação de Jorge Mendonça, que meses depois faria o gol do título paulista.

Sócio do Palmeiras desde os cinco anos de idade, Ezequiel cansou de ver clássicos no Palestra, no Pacaembu e no Morumbi. Hoje continua indo aos estádios, mas se entristece quando vê o grau de violência. "Teve uma briga de torcida que ficou famosa em 73, mas não se compara ao que vemos hoje."

Acostumado a ver clássicos com estádios divididos, Ezequiel acha absurda a ideia de apenas uma torcida poder ir ao campo. “O futebol está acabando. Não consigo imaginar um Palmeiras x Corinthians sem a torcida do adversário. De quem a gente vai tirar sarro durante o jogo? Sou do tempo em que rivais iam embora juntos, sentado um do lado do outro no ônibus. Estamos vivendo o começo do fim.”

Estreia para valer. Somando dois amistosos, o Palmeiras fará neste domingo o sexto jogo na arena. Mas para Ezequiel a contagem é diferente.

"Considero o jogo contra o Corinthians como o primeiro na arena. Antes, foi só evento-teste, com pouca importância. Para o estádio ter alma tem de ter um Palmeiras x Corinthians. Assim como o estádio deles só foi batizado depois que jogamos lá", brincou o torcedor, que estará presente no Allianz Parque neste domingo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.