Cesar Greco/Ag. Palmeiras
Cesar Greco/Ag. Palmeiras

Há quatro jogos sem vencer, Palmeiras vive maior jejum de vitórias em dois anos

Sequência negativa iguala momento ruim vivido em junho de 2017, ainda sob o comando do técnico Cuca

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

24 de julho de 2019 | 11h00

A sequência de tropeços do Palmeiras nos últimos jogos fez o time igualar uma marca negativa recente. Ao empatar com o Godoy Cruz por 2 a 2, na última terça-feira, na Argentina, a equipe do técnico Luiz Felipe Scolari chegou à quarta partida seguida sem ganhar. A sequência é a maior do clube nos dois últimos anos e deixa o time em alerta para buscar recuperação.

Desde junho de 2017, quando estava sob o comando de Cuca, o Palmeiras não ficava tantos compromissos seguidos sem vencer. Naquela temporada, o time ficou quatro partidas seguidas sem ganhar, mas com resultados piores em comparação ao momento atual. Foram três derrotas e um empate, enquanto a série atual tem duas derrotas e dois empates.

Há dois anos o time perdeu para o São Paulo, pelo Campeonato Brasileiro, depois foi derrotado pelo Inter, pela Copa do Brasil. Nos dois jogos restantes, o Palmeiras empatou sem gols com o Atlético-MG, pelo Brasileiro, e na partida seguinte, também pelo Nacional, perdeu por 1 a 0 para o Coritiba. A série negativa terminou com uma vitória por 3 a 1 sobre o Fluminense.

Em 2019, o Palmeiras empatou com o São Paulo, no Morumbi, e perdeu para o Inter, em Porto Alegre, para o Ceará, em Fortaleza. Por fim, na última terça, ficou no 2 a 2 com o Godoy Cruz, pela Copa Libertadores. A chance para encerrar a série negativa será no sábado. A equipe recebe o Vasco, no Allianz Parque, pelo Campeonato Brasileiro, para se manter na liderança da competição.  

Após a partida na Argentina, o elenco palmeirense viajou durante a madrugada e desembarcou em São Paulo por volta das 6 h da manhã. Os jogadores ganharam folga e voltam aos treinos na tarde de quinta-feira, na Academia de Futebol, para iniciar a preparação para a partida contra o Vasco.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.