Há um ano, Grêmio havia feito campanha contra o racismo

Em vídeo com depoimentos e manifestações de jogadores, clube convidava torcida a aderir campanha contra preconceito racial 

O Estado de S. Paulo

29 de agosto de 2014 | 11h58

Atualmente em evidência por conta de manifestações preconceituosas feitas por alguns de seus torcedores contra o goleiro Aranha, o Grêmio fez uma campanha contra o racismo há menos de um ano por meio de canal oficial no Youtube. No vídeo, Zé Roberto, Bressan, Matheus Biteco, Alex Telles, hoje no Galatasaray e o diretor da equipe Rui Costa, expõem experiências e opinões sobre atos relacionados à cor da pele das pessoas.

No depoimento, Zé Roberto disse que apesar de ter jogado por 14 anos na Europa, só sofreu manifestação racista no Brasil. "A unica vez que eu sofri foi na minha adolescencia quando eu fui fazer um teste numa empresa para uma vaga de office boy, minha ficha foi aprovada, mas no dia em que eu cheguei na firma para ser aprovado, as pessoas acabaram não me aprovando pela cor da minha pele. Foi uma coisa muito triste, que me deixou muito chateado".

Outro negro do elenco gremista mostrado no vídeo, o volante Matheus Biteco também contou que já foi alvo de preconceito quando estava junto de sua família. "Eu estava junto com o meu irmão e meu pai. Depois de um treino, eu estava no mercado e ia comprar um lanche e o segurança começou a ir atrás de nós achando que a gente ia roubar alguma coisa, sendo que a gente só estava lá para comprar alguma coisa para matar a nossa fome. Meu pai xingou o segurança. Muitas vezes as pessoas negras sofrem isso quando entram em algum mercado, aquele olhar de insegurança, de que vai levar alguma coisa."

No vídeo, o executivo de futebol, Rui Costa, havia convocado os gremistas a aderirem a campanha contra o preconceito racial. "Eu gostaria de convidar o torcedor do Grêmio a participar da nossa campanha, nesse legado de vida, que é impedir qualquer manifestação nesse ambiente. E nós aqui temos essa preocupação em relação a isso. O futebol não pode de qualquer forma compactuar com qualquer ato de racismo e o torcedor do Grêmio, que é miscigenado, que tem a característica de torcer para três cores, que ele possa estar conosco nessa campanha contra o racismo.

Caucasianos, Alex Telles, que deixou o time gaúcho no início do ano rumo ao Galatasaray e o zagueiro Bressan, lamentaram o fato de ainda haver racismo no país e mostram indignação com esse tipo de manifestação preconceituosa. Ao fim dos depoimentos, o vídeo terminou com uma frase de Nelson Mandela, famoso politico sul-africano por sua luta contra o racismo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.