Rubens Chiri/Divulgação
Rubens Chiri/Divulgação

Há um mês fora dos gramados, Sidão avança em recuperação no São Paulo

Goleiro sofre com uma lombalgia e treinou no gramado nesta quinta-feira, mas ainda não tem data para retorno

Gonçalo Junior, O Estado de S.Paulo

06 de abril de 2017 | 19h46

O goleiro Sidão foi o único jogador do São Paulo a treinar no gramado do CT da Barra Funda nesta quinta-feira. Após o empate por 0 a 0 com o Defensa y Justicia, na Argentina e o desembarque na madrugada desta quinta-feira, os titulares ganharam folga. Longe da equipe desde o dia 5 de março por conta de uma lombalgia, Sidão ainda realiza exercícios no departamento médico e no campo. Depois de nove jogos fora da equipe, o camisa 12 ainda não tem data definida para retornar, mas avança na recuperação.

Bruno (entorse no tornozelo direito), Edimar (estiramento no tendão do músculo reto femoral da coxa esquerda), Cueva e Lucas Fernandes (ambos com estiramento no músculo posterior da coxa esquerda), todos lesionados, trabalharam exclusivamente no Reffis.

Depois da partida, o São Paulo teve de deixar a Argentina rapidamente e modificou a programação habitual. O motivo foi a convocação de uma greve geral pelos sindicatos contra o presidente Mauricio Macri, que começou à 0h de quinta-feira, minutos antes da saída do São Paulo. Para conseguir cumprir a sua programação, os jogadores foram colocados em uma fila especial no aeroporto e conseguiram sair de Buenos Aires no horário planejado. Com isso, o técnico Rogério Ceni não conseguiu analisar as estatísticas da partida, o que costuma fazer após todos os jogos.

O elenco se reapresenta na manhã desta sexta-feira, único dia de preparação para o jogo de volta das quartas de final do Campeonato Paulista, contra o Linense, neste sábado, às 16 horas, no Morumbi. O São Paulo venceu o primeiro confronto por 2 a 0 e pode perder por até um gol de diferença para avançar às semifinais do torneio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.