Havelange admite voltar à CBF

O presidente de honra da Fifa, João Havelange, admitiu a possibilidade de tomar qualquer atitude política para colaborar com seu ex-genro Ricardo Teixeira, presidente licenciado da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), e que pode renunciar ao cargo se o relatório da CPI do Futebol, no Senado, for aprovado na terça-feira.Presidentes de federações estaduais articulam o lançamento da candidatura de Havelange, de 85 anos, à presidência da CBF, na hipótese de Teixeira ser indiciado por suposto envolvimento em crimes de perjúrio, sonegação fiscal e evasão de divisas, entre outros.Havelange não queria falar sobre o assunto, mas deixou escapar sua opinião a respeito da crise na CBF durante a inauguração, nesta quinta-feira, de um centro esportivo no bairro de Campo Grande, na zona oeste do Rio.Primeiro, disse que não estaria disposto a retroceder. "Já fui presidente da CBD (atual CBF), presidente da Fifa e sou decano do Comitê Olímpico Internacional (COI), na vida a gente não vem para trás." Mas depois mudou o discurso. "O meu desejo de servir, sempre que puder, é imenso, e servir ao presidente Ricardo Teixeira, a quem eu quero um bem extraordinário, é uma missão minha também. Servindo a ele estamos servindo ao futebol brasileiro." Alguns presidentes de federações participaram do evento, a fim de prestigiar Havelange, convidado de honra da cerimônia. Um deles, Weber Magalhães, de Brasília, disse que só depois da votação do relatório é que deverá ser discutida a estratégia de Teixeira para seu retorno ou não à presidência. Três dirigentes da CBF, o vice-presidente de Finanças, Antônio Osório, o vice de Registros, Luiz Gustavo, e o diretor de Futebol Feminino, Luís Miguel, irmão do senador cassado Luiz Estevão, também seguiram até Campo Grande.Políticos da zona oeste do Rio e até o deputado estadual Roberto Dinamite (PSDB) circulavam pelo centro esportivo. Toda essa movimentação evidenciava o óbvio: Havelange está voltando a ser uma figura de muita importância para o comando do futebol brasileiro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.