Adrian Dennis/AFP
Adrian Dennis/AFP

Hazard comemora força do conjunto belga em vitória; panamenhos vibram com estreia

Meia-atacante do Chelsea admite lentidão da equipe no primeiro tempo, mas exalta segunda etapa do time

Marcio Dolzan, enviado especial / Sochi, O Estado de S.Paulo

18 Junho 2018 | 16h22

Um dos destaques da Bélgica na vitória diante do Panamá, o capitão Eden Hazard reconheceu que sua equipe esteve um pouco abaixo das expectativas no primeiro tempo do jogo disputado nesta segunda-feira em Sochi, mas comemorou o placar elástico conquistado na etapa final. Na avaliação do meia, o conjunto belga prevaleceu para a boa arrancada na Copa do Mundo. Já entre os jogadores do Panamá, a derrota por 3 a 0 não foi motivo para frustração, e eles preferiram exaltar a estreia do país em Copas do Mundo.

+ TEMPO REAL: Bélgica 3 x 0 Panamá

+ Treinador se diz satisfeito com desempenho da Bélgica: 'Era o eu que esperava'

"Foi um bom jogo, especialmente no segundo tempo, quando voltamos melhor. O único problema da primeira etapa é que fomos um pouco lentos, mas no segundo tempo jogamos juntos, fizemos a diferença juntos e conseguimos mostrar nosso futebol", ponderou Hazard. "Nesse tipo de jogo a gente precisa ser forte como time."

Para o jogador, a primeira exibição da Bélgica na Copa do Mundo da Rússia ficou dentro das expectativas. "Quero ganhar todas as partidas, mas não é simples. Eles (Panamá) têm bons jogadores, jogadores fortes", considerou. "A gente quer vencer. Ganhamos a primeira hoje e queremos ganhar outra no sábado contra a Tunísia."

Entre os panamenhos, a derrota por 3 a 0 não chegou a ser motivo de frustração. "Nós somos ganhadores. Dói muito a derrota, mas estamos orgulhos pelo que fizemos. Foi um bom primeiro tempo, mas aí sofremos um gol no início do segundo e a partida se abriu um pouco. Todos os jogadores estão orgulhosos do que foi feito", disse o volante Godoy.

 

Opinião semelhante teve o meia Gabriel Gomez, que exaltou o grande apoio vindo das arquibancadas - a torcida panamenha foi maioria, muito também por ter contado com a simpatia dos russos. "Agradecemos muito a nossos compatriotas que vieram acompanhar a seleção. Realmente precisa muito esforço para vir para cá. Sabíamos também que o Panamá, por ser uma seleção que está estreando, teria muitos torcedores daqui", disse. "Agora temos mais duas partidas, e o que mais queremos é ganhar uma delas."

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.