Heber: "A coisa vai terminar muito bem"

O árbitro paranaense Heber Roberto Lopes, acusado pelo empresário Nagib Fayad de ser "caseiro" e de manipular resultados, reafirmou nesta quinta-feira a sua inocência, garantindo que as acusações são ?infundadas?. "A coisa com certeza vai terminar muito bem", disse o juiz, que já foi afastado preventivamente pela CBF.Em depoimento na CPI dos Bingos, na quarta-feira, Nagib Fayad, empresário que pagava aos árbitros para que eles manipulassem os resultados dos jogos, citou uma fraude num jogo apitado por Heber Roberto Lopes. Foi a vitória do Botafogo sobre o Juventude, por 3 a 2, no dia 11 de junho, no Rio.Segundo Nagib Fayad, o árbitro Edílson Pereira de Carvalho, que é réu confesso no escândalo da arbitragem, teria lhe dito para apostar no Botafogo naquele jogo, pois era vitória certa.O jogo, na verdade, teve lances polêmicos. Mas, nesta quinta-feira, Heber fez questão de explicar sua marcação em todos eles. Ele, inclusive, citou um lance da partida para refutar a acusação de ser ?caseiro?, ou seja, favorecer o time da casa.O Botafogo teve dois pênaltis a seu favor na partida, mas um deles foi batido duas vezes, por determinação de Heber, apesar do time carioca ter marcado na primeira tentativa - houve invasão da área. "Confronta com a idéia desse cidadão de que sou caseiro", defendeu-se o árbitro.Sobre a expulsão do atacante Enílton, do Juventude - após ter sido substituído, ele saiu de campo fazendo gestos de que o seu time estava sendo roubado -, o árbitro afirmou ter sido alertado pelo auxiliar Roberto Braatz. "Ele disse que na hora que saiu, o menino fez um sinal de que nós estaríamos prejudicando sua equipe. Perguntei se era lance para expulsão, o gesto foi muito feio e mostramos o cartão vermelho", relatou Heber.Segundo Heber, às vezes não é possível ver os gestos que alguns jogadores fazem por serem mais dirigidos à televisão ou à torcida. "Mas ele fez em frente ao assistente e foi bem explícito", lembrou o árbitro.

Agencia Estado,

20 de outubro de 2005 | 13h19

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.