Oli Scarff / AFP
Oli Scarff / AFP

Helicóptero do presidente do Leicester não respondeu comandos de piloto

Causas da falha mecânica na aeronave ainda estão sendo investigadas

EFE

14 de novembro de 2018 | 13h47

As primeiras investigações sobre a queda do helicóptero que matou o presidente do Leicester, Vichai Srivaddhanaprabha, e mais quatro pessoas, apontam que a aeronave não respondeu as ordens do piloto, divulgou a entidade que está a frente do caso.

A Air Accidents Investigation Branch (AAIB, na sigla em inglês), encarregada de esclarecer os fatos, comunicou que o piloto, Eric Swaffer, também falecido na ocasião, tentava virar para a esquerda, mas, o helicóptero guinava para a direita.

A entidade apontou também que as causas pela perda do controle da aeronave ainda estão sendo esclarecidas.

Depois da tragédia em Leicester, foram ordenadas operações de segurança em helicópteros similares. A prioridade é a averiguação no sistema de cauda dos aparelhos.

Em boletim especial, a AAIB revelou que o helicóptero de Srivaddhanaprabha fez a primeira viagem do dia entre o aeroporto de Fairoaks, em Surrey, nos arredores de Londres, com duas pessoas, até o heliponto de Battersea, onde mais três pessoas subiram a bordo.

A partir daí, o deslocamento foi para o centro de treinamento do Leicester, para, em seguida, se dirigir ao King Power Stadium. Pouco mais de uma hora depois do jogo entre 'Foxes' e West Ham, pelo Campeonato Inglês, o helicóptero levantou voo de dentro do gramado, para cair minutos depois, no estacionamento.

A AAIB acrescentou ainda não haver nenhuma prova que sugira o envolvimento de algum tipo de drone no acidente. / EFE

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.