Juan Mabromata / AFP
Juan Mabromata / AFP

Henderson diz ter 'dívida eterna' com Pickford por avanço inglês nos pênaltis

Volante teve cobrança defendida, mas goleiro inglês classificou o time na sequência

Estadão Conteúdo

05 Julho 2018 | 07h22

O volante Jordan Henderson não mediu palavras para agradecer seu companheiro de seleção inglesa, o goleiro Jordan Pickford, pela classificação às quartas de final da Copa do Mundo. Depois de perder sua cobrança na disputa de pênaltis com a Colômbia, na última terça-feira, o jogador do Liverpool viu seu colega defender a tentativa decisiva de Bacca e garantir a vaga ao time europeu.

+ Jamie Vardy e Dele Alli viram dúvidas na Inglaterra para as quartas de final

+ Copa do Mundo entra na reta final com choques de estilos de jogo

+ Volante sueco fica fora de treino e preocupa para jogo contra Inglaterra

"Somos um grupo muito próximo. É difícil quando você erra e nada pode ser dito para melhorar, mas isso não é sobre mim. No fim, nós vencemos. Isso é o mais importante: uma vitória incrível, ainda mais nos pênaltis. Eu apenas agradeci ao Pickford. Não posso agradecê-lo o suficiente. Terei uma dívida eterna com ele", declarou o jogador.

Após o empate por 1 a 1 no tempo normal e na prorrogação, Henderson foi o primeiro a desperdiçar um pênalti, já na terceira tentativa inglesa. Para sua sorte, porém, Uribe acertou o travessão e Pickford parou Bacca na sequência. "Obviamente, você teme pelo pior quando perde um pênalti, mas o Pickford foi brilhante com a defesa e ainda teve a bola no travessão. Então, fiquei aliviado", comentou o volante.

Henderson afirmou não ter se arrependido da forma como bateu seu pênalti, defendido por Ospina, e se colocou à disposição para assumir a responsabilidade novamente em uma eventual nova disputa de penalidades diante da Suécia, neste sábado, em Samara, pelas quartas de final.

 

"Passei pelo processo que faço normalmente, no qual trabalho. Talvez tenha sido uma boa altura para o goleiro, deveria ter ido mais alto ou mais baixo, mas nos pênaltis, ou você perde ou há uma boa defesa. Felizmente, meus colegas me ajudaram. Eu não deixaria de bater em outra oportunidade, mas depende do Gareth (Southgate). Eu tentaria de novo, mas também entenderia se ele optasse por outra pessoa."

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.