Waldemir Fletti/ Divulgação
Waldemir Fletti/ Divulgação

Henri Castelli rebate decisão do presidente do São Paulo

Ator diz que o fato da diretoria ficar incomodada com as declarações sobre corrupção é porque 'de repente a carapuça serviu'

O Estado de S.Paulo

29 de agosto de 2016 | 10h58

Após o conturbado fim de semana do São Paulo, com invasão da torcida no Centro de Treinamento no último sábado e o empate sem gols contra o Coritiba no domingo, os ânimos continuam exaltados nos bastidores do clube tricolor.

Antes e depois do protesto realizado pela torcida, surgiram declarações de são-paulinos famosos incitando a violência e afirmando que a diretoria do clube é corrupta. Diante das manifestações, o presidente Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, anunciou que irá processar todos os envolvidos. O principal alvo é o ator Henri Castelli, que chegou a publicar um vídeo nas redes convocando os torcedores para comparecer no CT da Barra Funda.

Logo após a decisão do dirigente, Henri Castelli rebateu: "Me surpreende muito e até me envergonha que a única atitude que eles manifestaram que será tomada em resposta aos protestos justos e legítimos seja processar um grande torcedor e defensor do São Paulo como sempre fui desde os meus 10 anos de idade", disse em entrevista à Rádio Jovem Pan

O ator ainda mencionou uma conversa entre diretores do São Paulo em um grupo no aplicativo WhatsApp, afirmando que o xingavam de "veado". "Isso até poderia afetar minha honra, mas para mim a carapuça não serve, porque já sabem que não tem procedência nenhuma". Em seguida, diz que o fato da diretoria ficar incomodada com as declarações sobre corrupção é porque "de repente a carapuça serviu e eu não posso fazer nada contra isso".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.