Paulo Fernandes/Vasco.com.br
Paulo Fernandes/Vasco.com.br

Henrique admite cansaço, mas promete Vasco forte para início da Libertadores

Primeiro grande desafio do time será na Libertadores contra o Universidad Concepción, dia 31

Estadão Conteúdo

05 Janeiro 2018 | 16h10

O Vasco viverá uma temporada diferente em 2018. Classificado à fase preliminar da Libertadores, o time terá sua primeira grande decisão já no próximo dia 31, quando inicia o confronto com o Universidad Concepción, no Chile. Por isso, a comissão técnica está exigindo bastante dos jogadores neste início de pré-temporada e o cansaço já é admitido por alguns deles.

+ Zé Ricardo admite peso de decidir vaga em casa, mas cobra 'boa estreia' do Vasco

"Conseguimos fazer o que eles pediram durante as férias. Não chegamos tão desgastados. O cansaço é normal, porque estamos realizando treinos em período integral. Mas sabemos que é necessário e que vamos ganhar lá na frente. Esse esforço é para colher no futuro. A gente vem com uma base do ano passado, isso é muito importante", declarou o lateral Henrique nesta sexta-feira.

O jogador reconheceu a importância da preparação para o início da temporada, que para o Vasco será no dia 18, diante do Bangu. "Nessa temporada, sabemos que precisamos começar fortes, treinar bastante, porque já temos compromissos ainda este mês. O Carioca começa dia 18, depois temos decisões pela Libertadores. Sabemos que precisamos chegar bem e fortes em todas as competições."

A tendência é que Henrique comece o ano como titular da lateral esquerda do Vasco. Promessa das divisões de base, o jogador oscilou demais em suas primeiras oportunidades e só ganhou espaço na reta final do último Brasileirão após a grave lesão de Ramon. Com boas atuações, se firmou como dono da posição e, agora, celebrou o bom momento.

"Na nossa vida, sempre passamos por altos e baixos. Costumo dizer que o que significa é como vamos suportar esses momentos baixos. Graças a deus, eu tive a oportunidade, infelizmente com a contusão de um amigo que é querido por todos aqui. Sei o quanto o Ramon é importante para a nossa equipe, mas a minha missão é poder contribuir também. Estava preparado, continuei treinando, não abaixei a cabeça e isso foi importante para mim. Valeu a pena no final do campeonato, com a classificação e todas as atuações que tive", considerou.

Mais conteúdo sobre:
futebol Vasco

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.