Pilar Olivares/Reuters
Pilar Olivares/Reuters

Artilheiro, Henrique Dourado vive fase de ouro no Fluminense

Aos 29 anos, atacante que ganhou apelido de ‘Ceifador’ no Palmeiras brilha no Rio e já marcou 30 gols em 2017

Almir Leite, O Estado de S.Paulo

20 Outubro 2017 | 07h00

“Se você quiser conversar sobre novela, eu não saberei o que dizer, pois não acompanho. Mas de futebol eu entendo.” Dona Marli tem suas razões para dar tal explicação. Ela sempre acompanhou de perto o que acontece nos campos, sejam eles gramados ou não. Seu marido, Valmir, era jogador na várzea. Dizem que sabia fazer gols. Mas goleador mesmo é o filho. José Henrique da Silva Dourado é simplesmente o artilheiro do Campeonato Brasileiro.

+ Perfeito nos pênaltis, Henrique Dourado garante: "Fico nervoso em todos"

Aos 29 anos, Henrique Dourado vive a melhor fase na carreira. É ídolo da torcida do Fluminense. Já fez 30 gols nesta temporada, 16 deles no Brasileirão. Se continuar nessa toada, vai bater a marca do ídolo anterior, Fred, que em 2011 fez 34 gols com a camisa tricolor.

Nada mal para um jogador que chegou no ano passado justamente para substituir o artilheiro que se transferira para o Atlético-MG e que, no começo, quase não fazia gols. Por isso, não foram poucas vezes que a torcida pediu para que levasse seu jeito desengonçado para outro lugar.

Henrique Dourado ficou chateado. Mas não se abalou. Afinal, se acostumara a desafios desde criança. Desde os tempos em que a mãe o levava para treinar no 18 de Fevereiro de Guarulhos, sua cidade natal. E às vezes, o garoto tinha de ir à pé para o treino, pois não havia dinheiro para condução.

Incentivado por Marli e o caminheiro Valmir, o garoto apostou tudo no sonho de ser profissional. Mas em algumas vezes fraquejou e pensou em largar tudo e ir “cuidar da vida”.

Numa dessas ocasiões, estava encostado no Flamengo de Guarulhos, onde se profissionalizou. Os país não deixaram. “Meu pai falou: ‘Você lutou tanto para realizar seu sonho, não pode entregar tudo de mão beijada. Vá à luta’. Ele tinha razão, por isso segui em frente”, disse Henrique Dourado em 2014, entrevista ao Estado.

Naquela época, ele estava no Palmeiras, em sua primeira chance em um grande clube do futebol brasileiro. Até então, perambulara por equipes do interior paulista e do Paraná, sempre fazendo gols, mas nada de chegar à elite. Na realidade até chegou, mas sua experiência no Santos em 2013 resumiu-se a cinco jogos, nos quais passou em branco.

Recompensa. Dourado, então, passou por uma Portuguesa que já descia a ladeira antes de chegar ao Palmeiras. E finalmente veio a recompensa. Em forma reconhecimento, advindo dos gols. Em 2014, ele foi o artilheiro do Alviverde no Brasileiro, com 16 gols.

Foi no Palmeiras também que Henrique Dourado tornou-se o Ceifador. Num jogo com o Sampaio Correa, pela Copa do Brasil, fez o gesto que simula cortar a cabeça dos adversários pela primeira vez. A torcida gostou e a marca pegou.

Em seguida, o artilheiro teve uma experiência no futebol português, uma passagem apagada pelo Cruzeiro e em junho do ano passado assinou contrato de quatro anos com o Fluminense.

Nas Laranjeiras, está de bem com a vida e consolidou sua fama de implacável cobrador de pênaltis. Só este ano, foram 11 e em nove deles o goleiro nem saiu na foto. Na carreira, aliás, só errou o alvo uma vez. Foi em 2014 quando bateu para fora num jogo do Palmeiras contra o Atlético-MG (detalhe: havia convertido, mas o juiz mandou voltar a primeira cobrança).

Apesar da fama de rei dos pênaltis – seu mais recente gol, quarta-feira, contra o São Paulo, foi assim – Henrique Dourado, que este ano já marcou de perna esquerda, perna direita e de cabeça, admite que ainda fica nervoso antes das cobranças. “Não tem aquele pênalti em que você fica mais tranquilo. Em todos dá aquele friozinho na barriga”, explica.

Por isso, antes de cada cobrança reza, e respira fundo antes da corrida desengonçada, olhos fixos no goleiro, em direção à bola (para a qual não olha). E a cada cobrança tem feito a alegria da torcida do Fluminense. E a de dona Marli, que sempre que pode vai ao Maracanã torcer, e vibrar, com os gols do filho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.