Bruno Haddad/Cruzeiro
Bruno Haddad/Cruzeiro

Henrique lamenta derrota do Cruzeiro e admite: 'Não depende só de nós'

Derrota para o Vasco faz com que o time mineiro precise de uma combinação de resultados para não ser rebaixado

Redação, O Estado de S.Paulo

02 de dezembro de 2019 | 23h00

O semblante dos jogadores do Cruzeiro após a derrota por 1 a 0 para o Vasco, em São Januário, pela 36ª rodada do Campeonato Brasileiro, traduziu bem a situação do clube na tabela de classificação. Alguns atletas, como o lateral Orejuela, deixaram o gramado chorando. O volante Henrique foi o único a dar entrevista para a imprensa e não conseguiu conter as lágrimas.

"É muito difícil falar depois de uma derrota, onde havia possibilidade de sairmos da colocação que nos encontramos. Temos que ter forças. Agora é um jogo dificílimo contra o Grêmio, onde não podemos baixar a guarda. Sabemos que cada vez se torna mais difícil. Temos que vencer os dois jogos, contra o Grêmio e contra o Palmeiras. Não dependemos só de nós. Se temos possibilidades, vamos correr atrás", afirmou o volante.

Como Henrique adiantou, o Cruzeiro terá pela frente o Grêmio, em Porto Alegre, e o Palmeiras, no Mineirão, dois clubes que já confirmaram vaga na Copa Libertadores e buscam apenas melhorar suas respectivas colocações no Brasileirão. Para permanecer na primeira divisão, terá de vencer os dois jogos e torcer por ao menos uma derrota do Ceará.

"Não podemos lamentar o que passou. Vamos buscar duas vitórias e torcer. Jogamos numa grande instituição, mas chega um momento que as coisas não vão dando certo e a ansiedade, a bola acaba acelerando. Temos que ter forças. Muitos já viveram isso, muitos não. Temos que tirar forças de onde tem para buscar vencer os dois jogos e torcer pelo resultado negativo do Ceará", concluiu.

Há sete jogos sem vencer, o Cruzeiro ocupa a 17ª colocação, com 36 pontos, dois a menos do que o Ceará, o primeiro fora da zona de rebaixamento.

Para Entender

Programação de tv

Veja as principais atrações esportivas do dia

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.