Marcos Pin Mendez/AFP
Marcos Pin Mendez/AFP

Hernán Dario Gómez é confirmado como novo técnico da seleção do Equador

Colombiano comandou o Panamá durante a Copa do Mundo da Rússia

Estadão Conteúdo

01 Agosto 2018 | 17h40

O presidente da Federação Equatoriana de Futebol (FEF), Carlos Villacís, confirmou nesta quarta-feira que o colombiano Hernán Dario Gómez, de 62 anos, será o novo técnico da seleção do país. Na opinião do mandatário da entidade ele chega para resolver os problemas do time, que não conseguiu se classificar para a Copa do Mundo da Rússia.

+ Em comercial, Neymar faz desabafo e admite exageros na Copa do Mundo

"Se não contatássemos neste momento a comissão técnica seria uma irresponsabilidade. Outros países já contrataram seus técnicos e estão há meses trabalhando. Já temos que começar a pensar nos próximos compromissos do Equador", afirmou em entrevista coletiva de imprensa realizada em Guayaquil.

Gómez assume a seleção a seis meses de novas eleições da FEF, marcadas para janeiro do próximo ano. O treinador não acredita que corre o risco de ser demitido com um novo mandatário e pretende cumprir o contrato garantindo a equipe na Copa do Mundo do Catar de 2022. Outra missão importante será conseguir um bom desempenho na Copa América de 2019.

"Os dirigentes da FEF tiveram muitas conversas. Também conversei com gente muito importante do país e do futebol. Sinto um apoio total em todos os aspectos", disse o novo treinador da seleção. Ele ainda acrescentou que pretende manter a "ordem e a disciplina" na equipe e que a partir daí começará o processo em que estarão presentes "os jogadores que queiram realmente atuar pela seleção".

Gómez também pediu paciência aos torcedores, que ficaram mal acostumados com a classificação para três Copas do Mundo neste século (Japão-2002, Alemanha-2006 e Brasil-2014). E admitiu que ultimamente a equipe enfrentou altos e baixos. "Vamos ter um pouco mais de humildade", disse.

O treinador comandará pela segunda vez a seleção equatoriana - a primeira passagem aconteceu entre 1999 e 2004. O último trabalho dele foi com o Panamá, onde esteve à frente desde 2014 e teve como grande feito a inédita classificação para uma Copa do Mundo. Os panamenhos disputaram o Mundial da Rússia e deixaram a competição na primeira fase após três derrotas: para Bélgica (3 a 0), Inglaterra (6 a 1) e Tunísia (2 a 1).

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.