Hernane não consegue segurar as lágrimas em despedida no Flamengo

Chorando muito, atacante diz que um dia ainda volta a defender o Rubro-negro, mas agora fará a independência financeira no Al-Nassr

O Estado de S. Paulo

08 de agosto de 2014 | 17h12

Foi impossível segurar as lágrimas. A despedida do atacante Hernane no Flamengo foi emocionante e emocionou nesta sexta-feira. Após pouco mais de dois anos defendendo o clube, o jogador que chegou sob desconfiança vindo do Mogi Mirim sai para o Al-Nassr, da Arábia Saudita, como um dos ídolos recentes dos rubro-negros.

Em busca da independência financeira, Brocador, como foi apelidado pela torcida pelos 36 gols em 2013, um deles o do título da Copa do Brasil, deu adeus aos flamenguistas numa coletiva simples, mas com muita prova de amor ao Flamengo.“Antes de qualquer coisa, queria agradecer aos meus companheiros e principalmente a essa torcida maravilhosa. Me dediquei ao máximo, queria muito jogar aqui”, iniciou seu pronunciamento de despedida, já chorando copiosamente. “Foram pouco mais de dois anos e foi tudo ótimo. Quero dizer que não é um adeus, mas sim um até logo.”

Sonhando com um retorno à Gávea, ele parte para o futebol asiático para fazer seu pé de meia e garantir o conforto financeiro para sua família. Depois de recusar cinco propostas desde a conquista da Copa do Brasil, na qual se destacou, Hernane não tinha como “recusar” o oferecido pelo Al-Nassr.

“Chega uma hora que você precisa pensar mais na família, na independência financeira. É uma proposta muito boa pra mim e para o Flamengo e por isso decidi sair”, observa. “Desde dezembro, se não me engano, chegaram cinco propostas. Eu procurava não me envolver, deixava tudo com o meu empresário, mas queria continuar no clube para jogar a Libertadores. Ele me respeitou e por isso continuei naquele momento no Flamengo.”

Hernane sai num momento de reconstrução do Flamengo. Com a chegada de Vanderlei Luxemburgo, ele poderia retomar o bom futebol do passado. Mas já havia definido o futuro e agora promete ficar na torcida pelos ex-companheiros.

“O Vanderlei é o cara mais indicado pra tirar o time desta situação e está deixando o grupo unido. O torcedor precisa ter paciência e entender que esta fase ruim aconteceu no ano passado e, mesmo assim, superamos e conseguimos conquistar a Copa do Brasil”, diz, lembrando que o gol na final foi seu mais importante. “Vai ficar marcado para o resto da minha vida.”

Tudo o que sabemos sobre:
futebolbrasileirãoflamengohernane

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.