Valéria Gonçalvez/AE 0 16/2/2010
Valéria Gonçalvez/AE 0 16/2/2010

Hernanes admite baixo rendimento do São Paulo

'O mais importante é o elenco estar forte na hora certa', garante o camisa 10 da equipe

Marcius Azevedo , Jornal da Tarde

23 de março de 2010 | 21h22

Hernanes admite que o futebol apresentado pelo São Paulo até aqui não é de encher os olhos do torcedor. Mas não vê problema nisso. Ele confia que no momento certo o time será forte como querem os torcedores. "O mais importante é estar forte na hora certa. Não adiantaria se todo mundo dissesse que o São Paulo é o máximo agora e depois não correspondesse."

 

Sua afirmação é sustentada pelos números. Apesar de não encantar em campo, o São Paulo está em terceiro no Campeonato Paulista - com boas chances de ir à semifinal - e na liderança de seu grupo na Libertadores.

 

Além disso já são sete jogos sem derrota, com cinco vitórias consecutivas. "Dou nota sete ao São Paulo, estamos aprovados. Estamos entre os classificados nas duas competições que disputamos."

 

As críticas recebidas pelo time, segundo ele, são baseadas em uma expectativa irreal criada por causa do forte elenco montado pela diretoria. E fala disso usando exemplos retirados do seu cotidiano.

 

"Não é bom criar muita expectativa sobre alguma coisa. Quando quero falar de algum filme a um amigo, não digo que é espetacular, maravilhoso, porque a pessoa vai assistir e pode achar fraco. A expectativa exagerada pode causar frustração. Nós estamos fazendo o nosso futebol e talvez tenham criado uma expectativa muito grande. Por isso, algumas pessoas acabam criticando. Mas vamos corresponder no momento certo."

 

ESTILO DE JOGO

Outro aspecto que precisa ser levando em consideração, segundo Hernanes, é o jeito de jogar da equipe. De acordo com o volante, os jogadores ainda estão de adaptando ao novo estilo que Ricardo Gomes quer implantar.

 

"Estamos em fase de transição para um futebol de mais toque de bola, sem tantos cruzamentos. O time ainda está encorpando, ganhando peso..." O que tem mais irritado o torcedor é o ritmo em campo. O time cadencia demais o jogo, esperando o momento certo para surpreender o adversário. A lentidão dos jogadores de meio de campo é um dos problemas que, aos poucos, Ricardo Gomes está conseguindo corrigir.

 

"Eu mesmo estou correndo mais. Antes fazia os outros correr, agora estou jogando em velocidade", afirmou Hernanes, que dividirá com Léo Lima e Jorge Wagner a armação de jogadas contra o Bragantino.

 

Ele quer o time focado em Bragança, sem pensar no clássico de domingo contra o Corinthians. "A vida é assim, precisamos viver o presente, não o futuro. Esse jogo também vale três pontos e queremos conquistá-los.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.