Herói alemão do Manchester City morre aos 89 anos

Bert Trautmann, um ex-prisioneiro de guerra alemão que se tornou goleiro do Manchester City e ajudou o clube a ganhar um título da Copa da Inglaterra mesmo atuando com o pescoço quebrado nos últimos 17 minutos da final da competição, morreu nesta sexta-feira, aos 89 anos de idade. O falecimento do ex-jogador foi confirmado pela Federação Alemã de Futebol.

AE-AP, Agência Estado

19 de julho de 2013 | 11h05

A entidade informou que Trautmann morreu na cidade espanhola de La Llosa, que fica perto de Valência, onde ele vivia. Marlies Trautmann, esposa do ex-jogador, avisou ais dirigentes da federação que o ex-goleiro morreu nesta manhã de sexta.

Trautmann havia sofrido dois ataques cardíacos neste ano, mas ele parecia ter se recuperado bem dos problemas de saúde. Ao lamentar a morte do ex-goleiro, o Manchester City publicou um artigo enorme em seu site oficial, no qual exaltou o alemão como "um dos maiores goleiros de todos os tempos e uma lenda do clube".

O ex-goleiro foi reverenciado pelo seu desempenho na final da Copa da Inglaterra de 1956, quando o City bateu o Birmingham para conquistar o título.

Nascido em Bremen, Trautmann serviu o exército alemão como um paraquedista na Segunda Guerra Mundial, tendo sido condecorado com uma Cruz de Aço por seu papel. Capturado pelo exército britânico quando a guerra estava se aproximando do fim, ele acabou sendo colocado como um prisioneiro em um campo de concentração em Lancashire. Porém, curiosamente depois ele se recusou a retornar ao seu país, adotando a Inglaterra como o seu lar por quase duas décadas.

Contratado pelo Manchester City em 1949, Trautmann chegou a participar de um protesto de 20 mil pessoas contra o líder nazista Adolf Hitler e depois se tornou o primeiro jogador alemão a disputar uma final em Wembley ao jogar a decisão da Copa da Inglaterra de 1955, quando seu time foi derrotado pelo Newcastle. Um ano depois, porém, ele se tornou o herói da conquista da mesma competição.

Naquela ocasião, quando o City vencia o Birmingham por 3 a 1 na decisão a 17 minutos do fim do jogo, Trautmann mergulhou nos pés do atacante Peter Murphy e o joelho do jogador adversário colidiu contra o pescoço do goleiro. E, mesmo com o pescoço quebrado após ficar nocauteado no chão com a força do impacto, ele seguiu em campo. Na época, substituições não eram permitidas e, embora sem condições físicas, o atleta resistiu bravamente em campo até o fim.

Neste período de sofrimento, Trautmann praticou mais duas defesas e ainda chegou a precisar ser reanimado após "apagar" em campo em razão de um choque com o zagueiro Dave Ewing, do próprio City. O curioso é que, apenas dias depois, um exame de raio X revelou que o pescoço do goleiro estava, de fato, quebrado. Oito dias antes daquela final, o herói alemão ainda havia sido eleito o Jogador do Ano pelos cronistas esportivos que cobriam futebol na Inglaterra.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolManchester CityBert Trautmann

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.