Kai Pfaffenbach / Reuters
Kai Pfaffenbach / Reuters

Herói da Inglaterra, Pickford diz ter estudado pênaltis de colombianos

Com resultado, ingleses quebraram tabu histórico de nunca terem vencido uma decisão nas penalidades

Estadão Conteúdo

04 Julho 2018 | 05h58

A classificação da Inglaterra para as quartas de final da Copa do Mundo, diante da Colômbia, nos pênaltis, teve no goleiro Jordan Pickford um de seus heróis. O jogador de 24 anos foi responsável por defender a quinta cobrança do adversário, feita por Carlos Bacca, e que praticamente definiu o triunfo do time europeu na terça-feira.

+ Southgate exalta disciplina e inteligência da Inglaterra e nega simulações

+ Imprensa da Colômbia e até Maradona atacam árbitro após queda na Copa: 'Roubo'

Pickford garantiu que a defesa não foi um caso de sorte, mas sim de estudo. "Eu fiz muita pesquisa (sobre os pênaltis dos colombianos). O Falcao foi o único que mudou sua forma de bater. Eu não me importo se não sou o goleiro mais alto do mundo. Tenho força e agilidade", declarou.

Com "apenas" 1,85m, Pickford é considerado baixo para um goleiro nos padrões atuais, mas se agigantou diante de Bacca. Uribe já havia perdido sua cobrança, acertando o travessão, o que tranquilizou a Inglaterra depois do desperdício inicial de Jordan Henderson.

O triunfo sobre a Colômbia serviu para acabar com o "trauma" inglês nos pênaltis. Afinal, esta foi apenas a primeira vez que a seleção venceu uma disputa de penalidades em Mundiais. "Estávamos prontos mentalmente, nunca paramos. A gente sabia que o jogo era nosso se fosse para os pênaltis", afirmou Pickford.

Outro tabu quebrado com a vitória foi a classificação da Inglaterra para as quartas de final de uma competição. Desde a Copa do Mundo de 2006, na Alemanha, a seleção não vencia uma disputa de mata-mata em competições importantes. E isso depois de sofrer o gol de empate da Colômbia, marcado por Mina, já aos 47 minutos do segundo tempo.

 

"Depois do tempo normal, a gente reiniciou. Pensamos: 'Bom, vamos de novo e por quanto tempo precisar'. Se fosse preciso prorrogação, se fosse preciso pênaltis, íamos vencer este jogo. É um pouco de loteria, mas você pode fazer sua parte e estudar", considerou Pickford.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.