Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Herói do Corinthians, Cássio diz que não estudou pênaltis: ‘É feeling’

Goleiro alvinegro explica como pegou duas penalidades diante do São Paulo

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

29 de março de 2018 | 11h02

Destaque da classificação do Corinthians para a final do Campeonato Paulista, o goleiro Cássio negou que tenha estudado as cobranças de pênaltis dos jogadores do São Paulo. Ele pegou o chute de Diego Souza e Liziero e garantiu a equipe na decisão do estadual, contra o Palmeiras.

+ Andrés Sanchez comemora vaga e vê soberba do São Paulo

+ Emerson Sheik provoca Aguirre após classificação do Corinthians

“Não gosto de ver pênaltis antes do jogo. A gente perde um pouco da concentração, na minha opinião, mas quando acabou o jogo, o Mauri (Lima, preparador de goleiros) me passou alguns dados, algumas coisas, a grande maioria dos cantos foi ele quem me passou. Mas muitas vezes é no "feeling", né? Você vai e na hora sente que é aquele canto e vai para tentar defender”, contou o goleiro corintiano.

O goleiro também fez questão de dividir os méritos da vitória e das penalidades defendidas. “Fui feliz, acho que isso é um trabalho em conjunto. Muitas vezes só se fala do goleiro, o CIFUT não aparece, mas são pessoas que contribuem muito para a gente fazer o melhor”, explicou.

Mais uma vez, Cássio brilhou contra Diego Souza. Assim como aconteceu nas quartas de final da Libertadores 2012, quando defendeu um chute de Diego Souza e evitou um gol que poderia ter causado a eliminação do Corinthians – que acabou sagrando-se campeão daquele ano – o corintiano defendeu o chute do atacante, mas nega que tenha alguma disputa pessoa entre eles.

“O Diego é um cara super bacana, trabalhei com ele quando subi para o profissional do Grêmio. Isso é mais questão da imprensa e da torcida, que pega no pé dele quando ele joga aqui”, minimizou.

 

Tudo o que sabemos sobre:
CorinthiansCássio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.