Mauro Pimentel/AFP
Mauro Pimentel/AFP

Herói do Palmeiras, Breno veio em transferência relâmpago e apagou Instagram antes de final

Atacante estava na Série B dias antes de chegar ao clube e marcou o gol decisivo na final da Libertadores contra o Santos

Ciro Campos, O Estado de S.Paulo

30 de janeiro de 2021 | 19h57

O herói do título do Palmeiras na Copa Libertadores estava até três meses atrás na Série B do Campeonato Brasileiro e sequer pensava em conseguir um título dessa importância. O tímido Breno Lopes mudou a história do clube ao marcar o gol da vitória por 1 a 0 sobre o Santos, no Maracanã, e ter a certeza de que a negociação relâmpago que o trouxe ao Palmeiras valeu a pena. E muito.

Curiosamente, pouco antes da final do torneio o atacante tomou uma decisão incomum hoje em dia. Breno Lopes avisou a pessoas próximas que fecharia a conta no Instagram. A escolha veio para conseguir se concentrar e evitar perder tempo com as mensagens de torcedores e amigos. 

"A ficha demora a cair, mas eu sabia o quanto o torcedor queria esse título. O clube buscava há tempos e hoje entro para história. Agora é só comemorar", festejou Breno Lopes após o jogo contra o Santos. "Meu pai e minha mãe estão aí, é um dia inesquecível na minha vida e para todo torcedor", seguiu. "A partir do momento que eu aceitei esse desafio, tem de estar preparado para tudo. Hoje eu provei que tenho condições de jogar aqui."

Em 8 de novembro o atacante ainda estava em campo pelo Juventude na partida contra o CRB, em Maceió, pela Série B. Logo depois, o telefone dele tocou. O empresário lhe disse que o Palmeiras queria contratá-lo imediatamente e Breno nem teve tempo de pensar. O jogador voltou para Caxias do Sul (RS), onde morava, arrumou as malas e três dias depois teve o acordo com o Palmeiras oficializado.

A transferência surpreendeu a torcida na época. O técnico português Abel Ferreira estava no clube há menos de 15 dias e tinha o atacante mineiro de 24 anos como o primeiro reforço da sua gestão. Breno chamou a atenção do Palmeiras pela velocidade e pelo retrospecto de vice-artilheiro da Série B na época, com nove gols. O currículo, porém, era discreto. Breno foi revelado pelo Joinville, passou por outros times catarinenses e teve uma rápida passagem pelo Athletico-PR, de onde foi dispensado.

Ao ser apresentado, o atacante admitiu se tratar de um grande desafio atuar pelo Palmeiras. "Encaro como uma oportunidade defender o Palmeiras. Aqui, tem que ser bom todos os dias", disse. "Foi tudo muito rápido. Quando meu empresário disse que tinha interesse do Palmeiras, disse na hora para fechar", contou. Como o próprio jogador disse, tudo foi imediato com ele. Breno chegou a São Paulo em uma quinta, treinou pela primeira vez na sexta e no sábado estreou contra o Fluminense.  

O atacante tem só 17 partidas pelo clube, das quais somente seis foram como titular. O primeiro gol só saiu na última terça, diante do Vasco, no empate por 1 a 1. O segundo veio neste sábado, em uma cabeça decisiva nos acréscimos para dar ao Palmeiras o segundo título da história na Libertadores. "O Breno no começo do ano estava na segunda divisão. Agora, fez um gol de um dos títulos mais importantes do Palmeiras. Isso é obra de Deus", elogiou o goleiro Weverton.

No caminho para se transformar herói, Breno também teve de superar desafios. O jogador sofreu principalmente pelas críticas sofridas na derrota por 2 a 0 para o River Plate, quando desperdiçou sozinho um contra-ataque ao tropeçar na bola. O gol seria capaz de aliviar o sofrimento do time nos minutos finais da partida e também daria ao jogador mais espaço no elenco.

Breno entrou 11 vezes no time no segundo tempo. Era uma arma especial para dar velocidade ao ataque. Na final contra o Santos, o chamado para entrar na vaga de Gabriel Menino veio só aos 40 minutos do segundo tempo. Parecia uma aposta para a prorrogação. Mas na verdade foi uma substituição para mudar a história do clube, agora um bicampeão da Libertadores da América.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.