Wilton Junior/Estadão
Wilton Junior/Estadão

Herói e suspenso, Bruno Henrique diz que atuou 'como se fosse último jogo'

Atacante marca os dois gols na vitória do Flamengo sobre o Vasco, pela final do Carioca

Redação, Estadão Conteúdo

14 de abril de 2019 | 19h06

Autor dos gols da vitória por 2 a 0 sobre o Vasco, no Engenhão, Bruno Henrique já sabe que não vai poder atuar no segundo jogo da final do Campeonato Carioca. O atacante flamenguista estava pendurado e recebeu o terceiro cartão amarelo no finalzinho do primeiro tempo, por uma falta em Lucas Mineiro. Coincidentemente, o artilheiro declarou que já tinha como objetivo entrar em campo neste domingo como se fosse a sua última partida.

"A gente colocou a meta de que esse seria o último jogo, como se não tivesse semana que vem, era pra decidir hoje. Nas oportunidades que apareceram nós fizemos os gols e conseguimos levar a vantagem para semana que vem. Não vou estar em campo, mas vou estar lá, mandando boas energias para os meus companheiros, pra que a gente possa sair campeão", ressaltou Bruno Henrique.

O atacante parece ter intimidade com o Engenhão. Na terceira rodada da Taça Guanabara, ele estreou com a camisa do Flamengo no segundo tempo contra o Botafogo e marcou os dois gols da vitória por 2 a 1, de virada, no estádio. "Contra o Botafogo eu também entrei no segundo tempo e mudei a partida, a história do jogo, e hoje mais uma vez, no mesmo gol, pude fazer história. Tô muito feliz em poder ajudar".

Gabriel também ressaltou a importância da vitória no primeiro jogo, mas pregou respeito ao Vasco. "A gente está em vantagem, mas sabe do tamanho da equipe deles, que é um grande time também. Por isso temos que respeitar e domingo que vem fazer mais um grande jogo para que se Deus quiser a gente possa sair campeão".

Os times voltam a se enfrentar no próximo domingo, às 16 horas, desta vez no Maracanã. O Flamengo pode perder por até um gol de diferença que ainda assim será campeão. Uma vitória do Vasco por dois gols de vantagem leva a decisão para as cobranças de pênalti. Para ser campeão no tempo normal, o time de Alberto Valentim tem de ganhar por três gols de diferença.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.