Herói em 1992, Negrini aponta o Atlético-MG campeão da Libertadores

Ex-jogador marcou os dois gols da vitória do time mineiro sobre os paraguaios na final da Copa Conmebol

MARCIO DOLZAN, O Estado de S. Paulo

17 de julho de 2013 | 07h30

SÃO PAULO - O jogo mais marcante da carreira de 17 anos como jogador profissional de Claudiomiro Negrini, hoje um comerciante de 46 anos, aconteceu na noite de 16 de setembro de 1992. E tem tudo a ver com a decisão desta quarta-feira da Libertadores da América.

O ex-meio-campista revelado pelo modesto Esportivo, time do interior gaúcho, havia chegado ao Atlético-MG em julho daquele ano, após passagem exitosa pelo Atlético-PR, onde fora artilheiro do Campeonato Paranaense. Naquela noite de 16 de setembro, o jogador foi um dos 11 escalados pelo técnico Procópio Cardoso para o primeiro jogo da decisão da Copa Conmebol, entre os mesmos Atlético-MG e Olimpia que se enfrentam agora pelo título mais importante das Américas.

"Lembro de tudo daquele jogo, ainda mais esta semana", afirma Negrini. "Duas horas antes choveu demais em Belo Horizonte, e o jogo começou difícil. Naquele ano o time do Olimpia era muito bom, melhor que o de hoje."

JOGO

A equipe paraguaia tinha o argentino Goycoechea no gol, o ídolo Amarilla no ataque e vinha de três decisões seguidas de Libertadores da América - venceu a de 1990. Já o Atlético-MG debutava em uma final de torneio sul-americano.

Por conta disso, mesmo com a forte chuva que caiu sobre Belo Horizonte, 60.116 torcedores pagaram para assistir à decisão no Mineirão, vencida pelo Atlético-MG por 2 a 0, com dois gols de Negrini.

"Eu senti que era meu jogo quando começou a chover. Eu sempre gostei de jogar na chuva, eu gostava de jogar com travas de alumínio, me sentia melhor com elas", relata o ex-jogador, que sairia de campo reconhecido como o herói da partida.

No jogo da volta, o time mineiro acabou perdendo por 1 a 0 no estádio Manuel Ferreira - o Defensores del Chaco, palco da final desta quarta, estava interditado -, mas o resultado acabou sendo suficiente para garantir o título daquela primeira edição de Copa Conmebol para o Atlético-MG.

LIBERTADORES

Para a decisão deste ano, Negrini deposita toda a confiança no representante brasileiro. "O Atlético-MG de hoje é melhor que aquela equipe de 1992. É um time excelente, muito bem treinado pelo Cuca, e só pelo Ronaldinho Gaúcho já se sabe a grandeza que está tendo o Atlético", avalia.

Para Negrini, o primeiro título da Libertadores virá com um empate no Defensores del Chaco e uma vitória no Mineirão pelos mesmos 2 a 0 daquela conquista da Conmebol. O ex-jogador aposta na velocidade de Diego Tardelli - artilheiro da competição ao lado de Jô, com seis gols - como o melhor caminho para buscar o título.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.