Nelson Almeida/AFP
Nelson Almeida/AFP

Herói, Kroos desabafa e cutuca críticos à seleção alemã após vitória

Meio-campista afirma que 'um monte de gente teria sido feliz na Alemanha se tivéssemos saído'

Almir Leite e Marcio Dolzan, enviados especiais / Sochi, O Estado de S.Paulo

23 Junho 2018 | 18h20

Toni Kroos poderia ter saído de campo neste sábado como vilão, mas acabou se transformando em herói. No primeiro tempo, errou o passe que proporcionou o contra-ataque e o gol da Suécia em Sochi. Mas aos 49 minutos do segundo tempo foi dele o chute cruzado que garantiu a vitória da Alemanha por 2 a 1 e, a rigor, a sobrevivência na Copa da Rússia – o empate seria fatal, embora não desclassificasse os campeões do mundo já nesta rodada.

+ Saiba o que a Alemanha precisa fazer para se classificar e pegar o Brasi

+ Técnico da Suécia reclama de alemães: 'Vieram comemorar na nossa cara'

A mudança rápida de sua condição levou o meio-campista que joga no Real Madrid a fazer um desabafo contra os que torcem contra a sua seleção. “Nós fomos muito criticados, em parte com razão (depois da derrota para o México), mas é fato que um monte de gente teria sido feliz na Alemanha se tivéssemos saído hoje (da Copa)'', disse.

O jogador reconheceu a falha no lance do gol da Suécia, no primeiro tempo, mas acrescentou: “O gol da Suécia saiu do meu pé. Mas se você dá 400 passes no jogo, dois não chegam''. Na etapa final ele errou uma outra saída de bola que por pouco não permitiu aos suecos fazer o segundo gol. “Mas no geral, estávamos muito bem no jogo, apenas as chances não foram bem concluídas."

Toni Kroos entende que o mais importante neste momento é que a Alemanha está viva, e na luta pela classificação, ainda que venha terminar em segundo lugar no Grupo F. “Agora temos que nos recuperar, não temos muito tempo. Temos que vencer a Coreia do Sul e sermos convincentes'', considera, sobre o jogo da próxima quarta-feira em Kazan.

 

Autor do primeiro gol alemão, Marco Reus disse que a sorte estava do lado do seu time na partida contra a Suécia. “Saem muitos gols no final (dos jogos) nesta Copa do Mundo. Começamos bem, mas não tivemos uma grande chance. A Suécia fez bem, foi compacta e apertada. É difícil dizer por que cometemos os erros no campo. Toni cometeu o erro, mas soube superá-lo e fazer tudo certo."

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.