Toru Hanai/Reuters
Toru Hanai/Reuters

Herói no Chile, Ceni desconversa sobre aposentadoria no São Paulo

Técnico Muricy Ramalho pede para que a diretoria demonstre interesse no goleiro

O Estado de S. Paulo

24 de outubro de 2013 | 06h26

Rogério Ceni saiu festejado de campo ao fim da vitória sobre a Universidad Católica. Aos 40 anos, ele mostrou estar em grande forma e só fez aumentar o coro para que não se aposente no fim do ano. "Ainda bem que no fim da carreira ainda consigo apresentar um futebol de alto nível. Acho que vai ser feito o que é melhor para todo mundo. O São Paulo tem ótimos goleiros se eu for embora, o Denis está super preparado, tem ainda o Léo e o Renan", diz, sem ser muito categórico.

Muricy Ramalho pediu para ele continuar em 2014 e o presidente Juvenal Juvêncio já avisou que renova por mais uma temporada, mas o goleiro, que já evitava falar quando a situação da equipe era ruim, agora também prefere não aumentar a repercussão. Na quarta-feira, com pelo menos cinco defesas, ele garantiu a classificação para as quartas de final da Copa Sul-Americana, mas preferiu dividir o mérito com os companheiros. "Fico muito contente com as manifestações de carinho, mas acho que histórica não é minha atuação, e sim a personalidade que esse time teve."

O técnico Muricy mais uma vez elogiou o goleiro e espera que a diretoria se esforce para mantê-lo no grupo em 2014. "A diretoria tem de se posicionar. O Rogério quer isso, ele quer uma palavra de carinho de alguém que comanda, eu conheço ele. Do ponto de vista técnico, goleiro como ele não tem, está no melhor momento da carreira. É experiente e está forte fisicamente. Muitos o criticaram por causa do pênalti perdido contra o Corinthians, mas ele vem pegando demais. As pessoas têm de rever um pouco a opinião sobre ele", avisa o treinador.

Perfeccionista, Rogério não entra na polêmica e apenas lamentou não ter evitado o primeiro gol dos chilenos. "Ouvi um apito e parei. Se continuasse, acho que poderia pegar", comenta. Agora, ele aposta na força da torcida na reta final do Campeonato Brasileiro e da Copa Sul-Americana para, quem sabe, o time ter mais alegrias no fim do ano. "A torcida fez a diferença quando estávamos no fundo do poço e pode continuar fazendo. O ingresso barato trouxe o torcedor de volta e quero agradecer a cada um pelo apoio. Fico muito contente com as manifestações de carinho", conclui.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.