Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Herói nos pênaltis, goleiro Júlio César divide méritos com comissão do Flu

Goleiro também elogia Engenhão dividido pelas torcidas de Fluminense e Flamengo

Estadão Conteúdo

05 de março de 2017 | 18h58

O goleiro Júlio César defendeu com os pés a cobrança de Réver na disputa de pênaltis e abriu o caminho para a conquista da Taça Guanabara pelo Fluminense, na tarde deste domingo, no Engenhão. Rafael Vaz, do Flamengo, errou na sequência e coube a Marcos Junior fazer a cobrança derradeira e garantir o troféu do primeiro turno do Campeonato Carioca ao time tricolor: 4 a 2, após um empate por 3 a 3 no tempo regulamentar.

Na comemoração ainda no gramado, o goleiro do Fluminense dividiu o mérito pela defesa com a comissão técnica. "É um trabalho feito em conjunto e temos que dividir com todos. Existe um trabalho de análise com o pessoal da estatística que ajudou bastante. Falaram muita coisa do que seria o Fluminense esse ano, mas Deus está nos coroando com o título deste ano. Mesmo com as dificuldades aconteceu", comentou.

Júlio César ainda destacou a importância de o clássico ter acontecido no estádio do Engenhão com a presença das duas torcidas nas arquibancadas. Durante a última semana, houve indefinição sobre o local da partida e os responsáveis da Federação de Futebol do Rio (Ferj) chegaram a cogitaram realizar o Fla-Flu até com portões fechados, antes de uma nova decisão da Justiça, tomada às vésperas do clássico, anular a adoção de torcida única. "Ter o clássico com as duas torcidas foi a melhor decisão. Temos que aprender a conviver em paz e é assim que tem que ser o futebol brasileiro", finalizou o goleiro.

O presidente do Fluminense, Pedro Abad, concordou com Júlio César sobre a decisão de ter torcida mista. "Quando vim para o jogo, no engarrafamento, um torcedor do Flamengo me identificou e me cumprimentou. A festa que as torcidas fizeram comprovam isso. Não tem sentido ter uma torcida só. Temos que aprender a conviver. Os clubes têm mais de cem anos de vida e não faz sentido ter briga", comentou.

O dirigente também falou sobre o duelo emocionante, um empate por 3 a 3 no tempo regulamentar, com uma virada para cada lado. "Você entra em campo para ganhar o jogo. O que eu disse antes se tornou verdadeiro: o Fla-Flu é o melhor clássico do planeta. Parabenizo o Flamengo e o futebol do Rio de Janeiro por fazer essa festa. Agora vamos comemorar", finalizou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.